Porto Velho (RO) domingo, 22 de julho de 2018
×
Gente de Opinião

Luciana Oliveira

Era 'tradição do nosso carnaval o Galo na quinta-feira'


Gente de Opinião

O título é trecho de uma marchinha do bloco Galo da Meia Noite, entoada por 25 anos em Porto Velho.

Neste fevereiro o bairro Caiari não verá o desfile do segundo mais antigo e maior bloco carnavalesco da capital por causa de dívidas com o município.

Em 2017 o Galo desfilou por força de liminar e por boa vontade do prefeito rolou uma renegociação para quitar os débitos, mas foi impossível honrar o parcelamento.

Não se discute o dever da prefeitura em cobrar, nem se impede o choro com a ausência do bloco que tem um dos mais ricos acervos de marchinhas com fatos e personagens históricos do carnaval da capital.

O silêncio no terreiro do Galo será como uma marcha fúnebre.

O preço que o antigo ‘bloco de sujo’ com essência popular paga por se transformar num ‘superbloco’ é a morte.

Como o Galo, muitos blocos símbolos da nossa tradição momesca foram apagados do calendário cultural.

A burocracia para ocupar as vias públicas e a cobrança de taxas e impostos condenaram à morte blocos tradicionais, sem distinção.

E muito por culpa da desgraçada Lei que regulamentou eventos de grande porte que em seu Art. 1º sacramenta: “A promoção e realização de eventos de grande porte, com ou sem finalidade lucrativa, em espaços públicos ou privados, ficam condicionadas às disposições presentes nesta Lei.”

É importante destacar que muitos só conseguiram manter os desfiles com a pouca venda de camisetas/abadás, pois o apoio financeiro do poder público nunca foi perene.

Houve sempre mais intenção em atrapalhar que ajudar a manter as manifestações carnavalescas. A compensação social dos eventos populares vem sendo desprezada por uma arrecadação sem importância.

A renúncia a tão baixos valores deve ser admitida com um investimento, afinal, é de cultura que estamos falando.

O que fazer para que o poder público exerça seu dever constitucional de fomento à cultura para que patrimônios como o Galo não desapareçam?

O que sugiro é a isenção de taxas e impostos a quem promover atividades sem fins lucrativos relacionadas ao carnaval, como fazem as escolas de samba, blocos carnavalescos ou folclóricos, trios elétricos e semelhantes. Com garantia de apoio financeiro, claro.

Tanto é possível e vantajoso que o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, fez.

Gente de Opinião

Gente de Opinião

Fernando Haddad, que o sucedeu, também ampliou o fomento à cultura quando liberou as escolas de samba de São Paulo de pagarem aluguel pelo uso de áreas públicas e garantiu a anistia das dívidas com IPTU.

Os blocos tradicionais que ofertam a chamada ‘folia barata’ foram cadastrados e se multiplicaram. O carnaval de rua de São Paulo foi o que mais cresceu nos últimos anos, bem como o retorno financeiro com a festa.

Que tal um vereador meter a cara pra propor e o prefeito demonstrar vontade política em garantir aprovação?

Por mim, o Galo retorna às suas origens, não vende nada e garante apoio da prefeitura daqui pra frente.

Quanto mais carnaval democrático com a chancela do poder público, melhor.

É inaceitável que um bloco de valor cultural deixe de existir, porque nem com a venda de camisetas consegue arcar com os custos para desfilar.

Quem quiser seguir comercializando camisetas que o faça, mas também sem regras que sugerem perseguição. Que seja menos pesada a burocracia, que aliviem na cobrança de taxas e impostos a quem vende pra poucos e garante acesso a milhares na festa.

“Com abadá, sem abadá, não importa”, todos aproveitam numa “onda que nem pororoca”.

Será muito triste não ver o desfile do Galo, sobretudo porque suas marchinhas serão executadas em praticamente todos os blocos.

Quando as orquestras tocarem o ‘Último Regresso’, é dele que vou lembrar.

“Não deixem não, que o bloco campeão,
guarde no peito a dor de não cantar.
Um bloco a mais é um sonho que se faz
o pastoril da vida singular.”

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Luciana Oliveira

Há algo errado em um país que proíbe os alimentos orgânicos e libera o veneno

Há algo errado em um país que proíbe os alimentos orgânicos e libera o veneno

O que precisamos é exatamente o oposto: ter cada vez mais alimentos saudáveis, sustentáveis ambientalmente e criar uma rede de políticas públicas par

Advogada denuncia caráter policialesco de reunião do Incra com camponeses

Advogada denuncia caráter policialesco de reunião do Incra com camponeses

Teria ocorrido na mais absoluta tranquilidade a reunião entre representantes da Ouvidoria Agrária Nacional, Incra e programa Terra Legal com as lidera

Há 4 anos, poder paralelo da “lava jato” influi na política e na economia do País

Há 4 anos, poder paralelo da “lava jato” influi na política e na economia do País

Boa parte da imprensa deixou de investigar, de garantir o contraditório, se convertendo num dócil e envenenado canal de comunicação de quem decidiu fa