Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Luciana Oliveira

Bloco Pirarucu do Madeira vai desfilar com frevo em defesa dos povos indígenas


Bloco Pirarucu do Madeira vai desfilar com frevo em defesa dos povos indígenas - Gente de Opinião

O bloco de rua mais democrático de Porto Velho convida os foliões à primeira pajelança carnavalesca.

O desfile está programado para o dia 16 de fevereiro, a partir das 15 horas, no circuito Pinheiro Machado, no centro da Capital.

A tradição do bloco em homenagear um elemento ou ritmo da cultura popular brasileira se cumprirá com foco nos povos indígenas.

O objetivo é claro: defender os territórios e o valioso patrimônio étnico e cultural de mais de 30 povos que vivem em aldeias espalhadas por todo o estado.

Vários povos estão sendo chamados para desfilar na frente do cortejo momesco e muitos já confirmaram participação.

É novidade frevo indígena e vários compositores se dedicam a realçar os saberes e a importância dos indígenas na proteção do meio ambiente.

Altair Santos, o Tatá, foi o primeiro a entregar o frevo que destaca o orgulho indígena, a forma guerreira de reagir a constantes ataques promovidos por invasores de terras.

“Meu Pirarucu Guerreiro

O rei desse terreiro

Enxotador de ‘anhangá’

Chama o povo pra cá

Chama os manos e as tribos

Cuidado não vá se ‘espantá’

Espia só, eu vou te contar”

Outra novidade anunciada pela diretoria é a participação na abertura do desfile da banda Quilomboclada, símbolo de resistência na proteção da cultura dos povos originários. O orgulho beraíndigena é amplificado com a mistura de vários ritmos brasileiros nas composições da banda ativista.

“Sonoros béra, quilombos

Ninguém destrói nossos sonhos

Não vão roubar nossas terras

Aqui tem luta e tem festa

Aqui tem quilomboclada”

A imagem pode conter: 3 pessoas


Fundado há 27 anos, o bloco não comercializa nada e conta com o apoio de foliões para arcar com o pequeno custo da grande festa.

A Orquestra Puraqué desfila no meio do povo, com os pés no chão e com repertório de marchinhas e frevos.

O tom é de festa e carnavalesco, mas como tradição do bloco, é também de protesto.

“O Pirarucu é símbolo de resistência da cultura popular. Nosso dever é dar as mãos a nossos ‘parentes’ indígenas quando as forças do mal avançam para destruir a cultura e dominar seus territórios”, diz Ernande Segismundo, presidente do bloco.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Luciana Oliveira

Coordenadora da Kanindé denuncia despreparo no atendimento a pacientes de Covid-19 em Porto Velho

Coordenadora da Kanindé denuncia despreparo no atendimento a pacientes de Covid-19 em Porto Velho

Ivaneide Bandeira usou as redes sociais enquanto aguardava atendimento para mostrar que não sabem como acolher pacientes do novo coronavírus na rede p

Rondônia: coordenadora da Kanindé testa positivo para Covid-19

Rondônia: coordenadora da Kanindé testa positivo para Covid-19

Ivaneide Bandeira é essencial na luta para proteger os povos indígenas de Rondônia do novo coronavírus, dos invasores e da destruição da floresta.Desd

Rondônia: indígenas de aldeia Karipuna denunciam invasão e pedem socorro contra coronavírus

Rondônia: indígenas de aldeia Karipuna denunciam invasão e pedem socorro contra coronavírus

Invasões não param em territórios indígenas de Rondônia.Na aldeia Karipuna próxima ao distrito de Jaci-Paraná, a ação criminosa é registrada pelos ind

Rondônia: Energisa coloca lucro acima da vida e demite trabalhadores em plena pandemia

Rondônia: Energisa coloca lucro acima da vida e demite trabalhadores em plena pandemia

Vamos chamar de Antônio o trabalhador demitido há menos de um mês após quase oito anos de serviço como eletricista da Energisa.‘Foi mandado embora’ no