Porto Velho (RO) sábado, 26 de maio de 2018
×
Gente de Opinião

Hugo Evangelista

‘SEU’ CALIXTO – UM MODESTO TESTEMUNHO - Por Hugo Evangelista




‘SEU’ CALIXTO – UM MODESTO TESTEMUNHO

Hugo Evangelista da Silva*

‘SEU’ CALIXTO – UM MODESTO TESTEMUNHO - Por  Hugo Evangelista   - Gente de Opinião

O“bar do CALIXTO” é resultado da determinação conjunta de seus proprietários, o Sr. Francisco Joaquim CALIXTO e sua esposa, a d. ROSA, que tendo comprado o terreno situado à esquina da Avenida Brasília com a Rua Jacy-Paraná – no ano de 1970 – conseguiram, com muito esforço, edificar o prédio onde funciona, hoje, o comércio que recebe o nome de seu proprietário.

Nascido na cidade de IGARAPÉ AÇÚ, no Estado do PARÁ, a 05.08.1934, “Seu” CALIXTO foi, contudo, criado na cidade potiguar de SÃO PEDRO – situada às margens do rio POTENGI – desde os dois anos de idade, para onde fora levado por seus pais, que, àquele instante, retornavam às suas origens e à sua cidade, depois de algumas experiências um tanto frustradas em terras paraenses.

Decidiu-se ele mesmo, tão logo alcançada sua maioridade, retornar às terras amazônicas, rumando em direção a PORTO VELHO aonde chegaria no dia 01.05.1954, no vigor de seus 19 anos de idade, a bordo do vapor SAPUCAIA. Ocupou-se, já de chegada, no serviço braçal vindo a trabalhar na construção do prédio da Usina de Luz da cidade, e, depois, na Usina de Borracha. Engajar-se-ia, tempos depois, nos serviços do extrativismo regional – como seringueiro – iniciando sua lide pelos seringais do rio Jacy-Paraná transferindo-se, mais tarde, para o rio Jamary, onde trabalhou no seringal de propriedade da família BENEVIDES – no período de 1956 a 1960 – quando,retornando a Capital, resolveu trabalhar como “marreteiro”, praticando a compra e venda de produtos de primeira necessidade – o arroz, o feijão, a farinha – para, pouco tempo depois, conhecer sua esposa, a d. ROSA, com quem se casou em 1962.

Otrabalho de “marreteiro”, a que se ocupou “Seu” CALIXTO logo às primeiras horas de seu retorno a Porto Velho – 1960 – deu-lhe a experiência necessária para perceber as reais possibilidades de melhores ganhos em sua atividade. Num de seus momentos de reflexão vislumbrou que, em razão da escassez da carne de gado, a venda de galinhas poderia render-lhes uns bons “trocados”. Foi então que, aproveitando-se de uma rara oportunidade, iniciou-se na venda de “frangos” quando passou a comprar as aves na cidade de Rondonópolis/MT para revendê-las por aqui, o que lhe proporcionou fabulosos lucros. Os ganhos auferidos foram utilizados por “Seu” CALIXTO e d. ROSA, após anos de muita economia, na compra de um terreno e, depois, na construção de uma modesta casa – que chamaram “casa de farinha” – aqui na Rua Jacy Paraná c/a Avenida Brasília, onde estabeleceu seu negócio e passou a residir a partir do ano de 1972.

No ano seguinte – 1973 – deu início à construção de um prédio comercial – concluído em 1975 – onde instalou sua “Taberna” – a CASA SÃO FRANCISCO – passando a explorá-la em conjunto com a venda das aves, vindo a ser, em pouco tempo, um dos maiores fornecedores de frangos da cidade, até quando se instalaram por aqui – representantes – as grandes empresas produtoras do sul do país: a Perdigão e a Sadia. Naqueles distantes anos “Seu” CALIXTO viu prosperar, também, a sua mercearia que passou a ser uma das mais importantes do bairro, atendendo a uma significativa parcela dos moradores locais, com vendas a vista e a prazo, funcionando até os anos finais da década de ’90, quando o comércio varejista local passou ao domínio dos grandes supermercados, e “seu” CALIXTO, já sexagenário, decidiu transferir o seu “negócio” ao filho caçula – o VAL – que optou por transformá-lo em bar, quando o espaço, então, passou a ser popularmente conhecido como o “bar do CALIXTO”.

Oespaço ocupado, hoje, pelo “bar do CALIXTO” já era bastante frequentado ao tempo em que ali ainda funcionava a Casa São Francisco. As razões que teriam contribuído para a convergência dos tantos moradores, em dias de finais de semana e feriados, parece-me ter sido – além de uma conjugação de tantas outras boas qualidades – a percepção empresarial do “seu” CALIXTO que, aproveitando-se do generoso espaço que ladeia a Rua Jacy Paraná, arborizou, em primeiro momento, a frente de seu comércio plantando algumas árvores frondosas e, depois, fazendo construir uma espaçosa calçada para o fim de melhor acomodar os seus tantos fregueses. Assim, tornadas aprazíveis as condições do ambiente, via-se achegarem em dias de descanso ou de ociosidade as “figuras” proeminentes do bairro para darem curso às acaloradas discussões.

Aminha frequência ao “bar do CALIXTO” iniciou-se ainda em tempos da Casa São Francisco – 1989 – por conta da construção do imóvel residencial que ocupei por muito tempo, edificado no terreno que comprei ao seu antigo proprietário – o velho Chico Simão – aqui na Rua Jacy Paraná. Nas visitas de verificação que fazia regularmente à obra adotei o hábito de convidar os operários ali ocupados a tomar um refrigerante, o que nos era servido ao balcão da mercearia do “seu” CALIXTO. Logo após passar a residir com minha família no imóvel recém-construído – tomado pela simpatia de seus proprietários – incorporei-me aos frequentadores do recinto para as conversas estéreis que ali tinham lugar e para ouvir as histórias nada críveis contadas pelos habitués do recinto. Foi assim que se iniciou a amizade entre mim e a família CALIXTO, o que nos autoriza um relacionamento por demais amistoso que cultivamos até os dias atuais.

O “bar do CALIXTO” ganharia projeção na mídia local, em tempos mais recentes, quando, um grupo de rapazes do bairro - à frente o Eudson, o Toninho Tavernard e o Eli Carlos – resolveram que era chegado o momento de se criar um bloco carnavalesco que acomodasse nossos foliões e convidados, escolhendo como ponto de referência e local de concentração, a já disputada calçada do “bar do CALIXTO”, que foi prontamente disponibilizada aos ensaios dos foliões. O grupo esbarrou logo às primeiras reuniões, entretanto, com uma difícil decisão: Qual o nome a ser dado ao “bloco”? Depois de alguns “considerando” prevaleceu o bom senso, que contou com a anuência do homenageado, restando resolvido o assunto. E, assim, nasceu o “Bloco CALIXTO & Cia.”, que se presta, também, a uma justa homenagem ao pioneiro que, alheio às tantas adversidades, edificou o alicerce da alegria em nosso reduto, transformando-o, ademais, numa verdadeira referência cultural de nossa cidade.

“Seu” CALIXTO nos deixou hoje, para a tristeza de sua família, dos que o conheceram, dos seus muitos amigos! Vá com Deus, meu mestre!!!

*Advogado, escritor e memorialista, conta histórias que viu ou ouviu sobre nosso estado, nossa cidade e do bairro em que nasceu e reside: o Santa Bárbara. e-mail: hugoevan@yahoo.com.br    

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hugo Evangelista

COISA DE ESCREVINHADOR

COISA DE ESCREVINHADOR

  Hugo Evangelista da Silva* “Cada pessoa que passa em nossa vida, passa sozinha, é porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pesso

'Mãe' ESPERANÇA RITA

'Mãe' ESPERANÇA RITA

Hugo Evangelista da Silva* Oinventário criterioso que se faça acerca das mulheres que, por suas tantas qualidades, foram decisivas para a formação e c

O 'bar' da DEUSA

O 'bar' da DEUSA

  Hugo Evangelista da Silva*   O bar SERENO ou “bar da Deusa”, como popularmente chamado, era um misto de residência, de bar, de estância para muitas

Uma Questão de Interpretação!

Uma Questão de Interpretação!

  Hugo Evangelista da Silva*   Assisti, faz alguns dias, uma cena tão inusitada quanto hilária! Acabava de sair de um café com tapioca – o que faço pe