Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Gabriel Novis

A coisa pública e a luz (que não há) no final do túnel


A coisa pública e a luz (que não há) no final do túnel - Gente de Opinião

 

GABRIEL NOVIS NEVES
De Cuiabá

Não está nada fácil para o trabalhador brasileiro pagar as suas contas.Tudo encareceu. Os preços dos alimentos e materiais de primeira necessidade chegaram a patamares alarmantes.
 

Essa verdade é comprovada nos vinte milhões de brasileiros que sobrevivem com os recursos públicos da Bolsa Família, segundo dados oficiais.
 

Existem ainda outras bolsas, como a bolsa presidiário, cujo valor varia segundo o número de filhos do beneficiário, chegando, alguns, a receberem o equivalente a um bom DAS, que é o valor que se paga a um comissionado (aquele que não faz concurso) e presta serviços de assessoramento superior aos órgãos públicos.
 

Agora, temos até bolsa para médicos importados, no valor de dez mil reais por mês. Um médico brasileiro concursado, após trinta e cinco anos de serviços, recebe de aposentadoria minguados um mil e seiscentos reais, como no Estado do Rio de Janeiro.
 

Nesta terra do agronegócio, qualquer diretor de quinto escalão do governo se dá ao cuidado de guardar no criado-mudo, para despesas eventuais, mais de cem mil dólares.
 

A sociedade aceita e aprova os novos ricos, geralmente jovens dotados de talento para os negócios.Essas fortunas nascidas do dia para a noite são frutos de mutações genéticas, praga nesta região.
 

A mídia informa como é tratado o dinheiro dos impostos que recolhemos, e providências não são tomadas por quem de direito.
 

Os antigos contavam historinhas para as crianças dormirem. Uma delas era a do homem do rabo preso. Quem não conhece essa fábula maravilhosa consulte os antigos ou o Google.O Tribunal de Contas aponta falhas na aplicação do nosso suado dinheiro e tudo termina com a notícia.
 

Os pequenos infratores da lei continuam lotando os nossos desumanos depósitos de presos, chamados de penitenciárias.
 

Antes tarde do que nunca descobriram, com a prisão da trinca da quadrilha na Papuda, que o nosso sistema penitenciário não funciona e nem apresenta condições para receber infratores da lei.
 

Os trabalhadores que sabem o custo de um prato de comida são os mais revoltados com a situação em que se encontra o nosso País.Nem as obras ornamentais que estão sendo executadas para o torneio internacional da FIFA, encobrem essa frustração nacional.
 

A falta de respeito pela “coisa pública” atingiu o seu clímax. Existe muita grana saindo pelo esgoto da corrupção, tornando cada vez mais difícil a vida do trabalhador.
 

Isso acontece com o beneplácito dos nossos “estadistas”.
 

Não há luz no final do túnel.
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Gabriel Novis

Alerta geral

Alerta geral

  GABRIEL NOVIS NEVES                                                    De CuiabáOu nos conscientizamos que o ser humano está passando por um momento

Vida de ‘esperador’

Vida de ‘esperador’

  GABRIEL NOVIS NEVES De Cuiabá Os profissionais da “espera” são muitos. Dentre eles: pescadores, caçadores, médicos parteiros. O médico parteiro, no

Futebol e Lavoisier

Futebol e Lavoisier

  GABRIEL NOVIS NEVES De Cuiabá Pensando no nosso futebol, lembrei-me da frase popular que imortalizou o químico francês Lavoisier há cerca de 200 ano

Juízo, candidatos!

Juízo, candidatos!

  GABRIEL NOVIS NEVES De Cuiabá Estamos assistindo aos treinamentos dos nossos candidatos aos cargos eletivos de outubro e notamos que enfrentaremos u