Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Vou que vou!


Vou que vou! Hoje é dia da Banda do Vai Quem Quer e, eu, é claro, que quero ir atrás da Banda que tem cachaça e tem mulher. Não sou malandro não. Malandro é o canguru que, geneticamente, já vem com bolsa-família. Nem adianta falarem mal de mim. Se andam dizendo por aí que não presto, protesto, mas, sempre admito que podem ter razão. Uma pra aumentar a ilusão. E agora a Tininha tá toda alegria, pois, diz que com o tal de plano FutuRO dá pra descolar uma notinha. Ela, que não é ateia, abençoou a Assembleia e o seu Hermínio Coelho, ò homem ligeiro, por não ter criado problema algum pros planinhos do seu Confuso passar. E até o seu Luizinho colocou uma emenda só pra ajeitar. Me ajeitando vou passar lá pela casa do seu Calmon onde, além de um bom som, sempre me sobra uma cachaçinha e, mesmo que este ano não tenha Mucura nem Jegue de Santo Antônio, vou me esbaldar. No Galo já botei pra quebrar e ninguém me segura mais. Quarta-feira se sobrar escamas do peixinho, podem crer, arranjo um empreguinho.

Fonte: Candiru do Madeira / Jornal Alto Madeira

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: