Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Tô o verdadeiro sem


É papa! É papa É papa! E eu? Não papo nada! Até parece experiência com o peixinho: de volta ao mundo das carvernas.  Só pode ser.  De tão duro até o gás não há mais (e nem é boliviano!).  Tô o verdadeiro sem: sem água, sem luz, sem gás, sem grana e sem presente do dias das Mães.  A mãe de todo mundo, inclusive das autoridades, todas recebendo presentes; e a Tininha nientes! Ó mundo Cruel!  Ando, até sem papel.  Habemus Sanctus, mas é frei Galvão.  Eu, não!  Até com bagres se preseocupam por antecipação, mas ao candiruzinho nada de dar a mão.  E com tantos buracos, até o prefeito já compreendeu a necessidade (e a tecnologia) de tampar os ditos cujos! Ia até fazer uma rifinha "Candiru da Sorte", porém fizeram o Porto antes, de forma que fiquei sem âncora.  Tô mesmo é precisando de Minâncora, de tanto apanhar da vida.  E, seria tão bom se me dessem ao menos 2% do que os sem-terras recebem prá fazer ocupação! Não!  Nasci prá ser um ser de lamentar; e tomar uma com limão! Bão!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: