Porto Velho (RO) sexta-feira, 17 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Tempos Duros


Pesquisa é cara. Precisa ter uma boa amostra e ser representativa. Se não é não vale nada. Azar de quem paga pouco por pesquisa.  Assim quando contrataram o Instituto Datacandi para ver a situação do comércio local ao preço de duas garrafas de Colonial já devia saber que a informação vai ter a qualidade do preço. Como o Datacandi não é como os institutos por aí que influenciam eleição e distorcem os dados para agradar o contratante a pesquisa foi feita, e bem feita, à altura do preço. Assim entrevistamos a Rosa Neguinha, incansável batalhadora da Carlos Gomes, exímia especialista em microfone. A pergunta foi clássica: -Como anda o faturamento? Rosa não se fez de rogada:-Péssimo. Não ganho nada. Nem picadura de carapanã. Ou seja, nos tempos de Lulex a moda é estar durex. Graças às cinco entrevistas que fiz vi que não estou duro só e, melhor, ainda tenho uma garrafa e meia para beber. Tomar é ali adiante! Limão!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: