Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Quando se está


Quando se está com problemas nos olhos, se escuta mais. E, apesar de um enorme esforço, somente vi tudo vermelho, vermelhim. E soou como uma bomba a declaração do gov. de que “Tenho muito apreço pelo Peru”! E nem me recuperei do meu lado o seu Lustoza sussurrou “O Peru está em alta” e me explicou que não se tratava da “aproximação do natal”, ou seja, não era um peru inflacionário! Tive que ficar quieto diante da elevação do Peru ainda mais que, de noite, fui convidado pro coquetel “Peru Mucho Gusto”! Não, seus maldosos, só bebi. Não há a menor chance de ficar com o bichim entalado e támos conversado! E tia Fafá diz que “Quer ocupar o coração dos portovelhenses” e não acredita em pesquisa! Há!Há!Há! Nenhum político acredita quando vai mal, uau! E poética lembrou Raul Seixas: “Todo jornal que eu leio, me diz que a gente já era, que já não é mais primavera, oh baby, a gente ainda nem começou!”. Seu Roberto já sabe. Tá arrumando as trouxas! Uma daquela ali, roxa!

Fonte: Candiru do Madeira

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: