Porto Velho (RO) quinta-feira, 16 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Promoção de fantasmas é na ALE


Lavei a alma! A multidão atrás de um emprego de comissionado levantou minha moral.  Viram que azarado é o brasileiro em geral.  Sortudo, só democrata-cristão, que devia ser desempregado.  Amanheci alegre.  De leve prá Tininha: não me aporrinha!  - Vou atrás de emprego.  Eu, e mais 70 jronalistas.  e, seu Jarí, o rei do festão da publicidade, vai me salvar, um empregão vai me arranjar! Promoção de fantasmas é na ALE! Só com Junta Médica, que as coisas podem mudar.  No meio do "Chiqueiro", adeus carteira com salário; cartões de ponto, não querem.  E, os ladrões, não duvidem, voltam para preencher formulários.  Os bandidos cuidam da "Caixa Preta".  Ave Maria! Dessa eu não posso falar! Nada de "quadrilha".  No ar, Moreira, quem sabe ele pode salva? Na corrida pelo emprego tem gente para me filmar.  Só faltam os familiares nas manchetes digitais! Quem sabe um emprego virtual? Se pagar bem, aceito, só a grana conta.  Sem carteira assinada, não vale nada: é bico.  Sou peixe, não mico! Solta uma, Cururu Stop!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: