Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Pelo amor de Deus!


Pelo amor de Deus! Por que ficam me torturando para falar o nome? Basta saber que foi um político local que chamou sua secretária e disse:-Por favor, marque uma reunião com os diretores pra sexta-feira. - Senhor, sexta-feira é com "s" ou com "x"? — perguntou a secretária. Ele pensou, pensou e disse: - Marque pra quinta. E não é verdade que o buracão da BR-364 tenha sido feito pelo DNIT só pra desviar a atenção dos buracos das ruas de Porto Velho, não. E o seu Tite, hein! Não quer deixar nem o Adriano ter apetite nem preguiça. Quer o imperador na liça, mas, o homem se acostumou e não treina, não corre e só sabe dizer: -Ai! Que preguiça! Me acusam também de ser monótono e só dizer: -Me dá um empreguim aí! Mas, não é verdade. De fato, como sabe a Tininha, vario bastante de “Me dá uma dose” pra “Desce uma meiota” e, não é lorota, quando a coisa ta boa, “Desce uma garrafa”. E o seu Henrique assumiu a Junta! É minha hora, agora, meu emprego não demora!

Fonte: Candiru do Madeira / Jornal Alto Madeira

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: