Porto Velho (RO) sábado, 16 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Olha a Atretochoana


Olha a Atretochoana eiselti aí, minha gente! Podem dizer que a cobra é mole, mas, dependendo de quem mexe com a bichinha, endurece na hora! Vamos embora como as meninas do futebol, lá em Londres. E o Cielo! Medalha de ouro ninguém vê, mas, tá tudo amarelo. Bem amarelão! A culpa é dos nervos. Este negócio de nervoso nunca deu certo, nem em Pimenta Bueno! Esta Olimpíada, porém, tá muito esquisita. O Babão Bueno anda uma pilha de nervos e o Bernadinho, mesmo perdendo, anda bem calminho. Mas, sei mesmo que há algo errado porque todo mundo chora ganhando ou perdendo. O negócio anda tão ruim que, mesmo pingando uma medalhinha aqui e ali o Brasil continua a cair de posição. É só choro, meu irmão. Pelo jeito é as Olimpíadas “Chororó Brasil”. E, para dizer a verdade, só gosto de choro na hora da pinga. E o que me incomoda é que se eles já tão nervosos lá imagine, então, aqui? Bota a Atretochoana na cachaça! Pode não passar, mas, bebinha vai ficar!

Fonte: Candiru do Madeira
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: