Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Medicina para memória


Vibrei com o prêmio Ig Nobels de Medicina ganho com o artigo "A Eliminação de Soluços Intratáveis com Massagem Retal Digital", por Francis Fesmire, Majed Odeh, Harry Bassan e Arie Oliven. Ia recomendar pro Lulex, mas, como está muito doído, e promete ser pior, recomendei pro Berzoini, o cruel, que tá soluçando por deixar a presidência dos petralhas. Até pensei que fosse ganhar uma nota com a pesquisa "Como Recuperar Memórias de Presidentes com Vibradores de Bicos de Tucano", porém ao saber que o prêmio é só simbólico, desisti. A tarefa vai ficar mesmo para o Geraldo e a Polícia Federal. E este negócio de falta de memória parece que pega: os bancos não sabem mais a quem entregam dinheiro! Até agora nada dos R$ 1,75 milhões? Ou só dizem depois das eleições?  Vou tomar uma ligeiro. Antes que me esqueça! Só não se esqueça de votar. É hora do sapo tirar. Sapupara! Bravatas doem! Ò tucaninho de bico afiado! Deixou o sapo todo machucado!
 
Fonte: Candiru do Madeira

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: