Porto Velho (RO) quinta-feira, 28 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Gosto


sto de cançãozinhas infantis, como a, que, não sei se a Sy ou a Maiara, canta pro Saulinho: “Se eu fosse um peixinho e soubesse nadar / afogava sua queridinha lá no fundo do mar/ mas, como eu não sou um peixinho e não sei nadar/ vou atirar nesta piranha só pra ela te largar :)”. Ó necessidade de namorar! E diz que não tem ciúme não. É só “que o que é meu ninguém chega perto”! E o Leão do Norte critica o amigo que namora a tilinga: -Mas, ela tem menos de 20 anos! E o sem noção:-É, mas, é mais rodada que catraca de ônibus do Tancredo Neves! Sobrevivi ao fim do mundo, ao Natal, a 2012! Será que não mereço um empreguim? Ò seu Nazif pense em mim! Será que seu secretariado não precisa de um cutucador de soluções? Com especialidade em buracologia clínica! E lá no céu, neste fim de ano, dizem que a Hebe, a Dercy, Clodovil, Clara Nunes, Lombardi, Wando e até Niemeyer tão cantando: “Silvio Santos vem aí...parapam..pam”. O SS é resistente.Uma, grande é evidente!

Fonte: Candiru do Madeira

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: