Porto Velho (RO) sábado, 18 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Entre Brahmos e versos


Só pode ser coisa das Zélites! Não é que tão dizendo que o Brasil vai ser um dos primeiros os mísseis indianos de cruzeiro Brahmos, com 300km de alcance, porque o nome de chope agradou a algumas partes do governo! E com a ameaça de não ser diplomado, por conta de suas incompreensíveis e contestadas contas, Lulex, pela primeira vez, na vida vai ter que se preocupar com diploma! Como quem tem boca vai à Roma, e quero é o universo, vou de prosa e verso. E os versos são os de Bruno Bezerra, lá do Recife, que, com o seu livro “Versos sarcásticos, homenageia, a nossa fantástica Câmara dos Deputados com frases como estas: “O plenário da Câmara dos Deputados/ Chegou a virar salão de dança./ E entre os parlamentares mais animados/ Havia uma, arrotando pizza e balançando a pança...” Ah! Que saudades do Chacrinha! Pelo menos jogava um abacaxi, uma bananinha, um bacalhau! Com os políticos de hoje nós só leva pau! Desce uma 51! Com limão! Que o gole é são!

Fonte: Candiru do Madeira

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: