Porto Velho (RO) quarta-feira, 3 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Ei! Gente não sou bacalhau!


Se o Lula que é Lula (que de tudo fala e de tudo entende) diz que a coisa tá difícil imagine eu, que não arranjo nem um empreguinho quanto mais uma aposentadoriazinha.  Nem cortando todos os dedos (ou rasgando as escamas).  Aliás, do jeito que a coisa anda to achando que ninguém quer peixe frito, agora, só gosta de peixe seco.  Só pode ser:  estão secando o peixinho.  Só isto explica tanto azar e nenhum empreguinho.  Ei! Gente não sou bacalhau!  Ó seu Valdir nenhuma vaga por aí?  Ah! Seu Aparício leve meu pedido a sério.  Se o senhor tivesse uma maquininha de medir dor ia ver como sofrendo to.  Mas nem com dor recebo as contas.  Até virei empreendedor:  vendo uma casa de três quartos e uma suíte por 60 mil ou uma gráfica com duas máquinas multilyte e uma Catu 500, mas gravadora de chapas e outra coisa por 35 mil, mas o neg´cio vai mal.  É muita concorrência.  E se vendo ninguém compra.  Quase fico louco!  E tem gente que vem perguntar como estou.  Que luta! Se comi ou não? Mara não.  Sou liso: faço o que.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: