Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de dezembro de 2021
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

E de Porto Seguro


E de Porto Seguro veio uma aguardente denominada “Pau de Índio”. Agradeço, pode até ser boa, mas, com certeza, é dura de entrar! Ar! Quero ar! E a Tininha, minha loirinha, me viu bem tratado por dona Jurema, uma vizinha distinta, uma senhora respeitável. Mas, ciúme é ciúme. Ela me falou que não tem esta de ser velha não. Ainda mais que o risco agora é maior porque não são mais as periguetes apenas, as garotinhas assanhadas de roupas modernas, que roubam maridos. O perigo maior mesmo-diz ela-são, justamente, as “perigosas”, as jovens idosas bondosas, como a vizinha, que parecem não querer nada, mas, ainda dito por ela, devoram os homens! E, com a tal da CPI do Cachoeira, o Demóstenes Torres já tá sendo chamado de lavadeira: lava roupa todo dia! Azar mesmo é ser flamenguista e corintiano ou flamenguista e palmeirense. Num dia só ter seus times dispensados, pense! A única vantagem é que ser flamenguista, agora, representa férias de sofrimento. Ronaldinho Gaúcho, agora, só como máscara de festa bunga-bunga!

Fonte: Candiru do Madeira
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: