Porto Velho (RO) quinta-feira, 28 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Candiru Madeira

Ah! Meu Deus!


Ah! Meu Deus! Começou de novo! Ter que votar obrigado já é uma coisa ruim, mas, ter que aguentar o horário eleitoral é mesmo imoral, uau! E dizem que, do jeito que a coisa vai, em breve, irá chover bala por aí. É que estão se formando duas turmas: as da piulinha azul e as da piulinha amarela! Mas, até agora só se viu por aí mesmo os azulzinho, os smurf danadinhos! Não vou contar, de jeito nenhum quem foi, mas, foi alguém que saiu pra beber uma cervejinha e bebeu setenta latinhas, segundo as línguas mais soltas da cidade. É aquele mesmo depois de passar a noite na farra, chega em casa embriagado às duas da manhã e a mulher vai logo dizendo: - Já chegou, Super-homem? A janta está pronta, Super-homem. Vai comer agora ou vai tomar banho antes, Super-homem? O marido, intrigado, pergunta: - Mulher, por que diabo você tá me chamando de Super-homem? - Porque você tá igualzinho a ele: usando a cueca por cima da calça. E, então, seu mala sem alça, desce ou não desce uma?

Fonte: Candiru do Madeira
 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Candiru Madeira

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

A última coluna 'Candiru do Madeira' escrita por Sued Pinheiro

Há dois tipos de pessoas que só fazem perguntas inconvenientes. São as crianças e os médicos. Um exemplo. O Zézinho pergunta pra mãe:- Mamãe! Por que

E o Rondinelli

E o Rondinelli Gonzalez, hein! Que cara legal! Só não se emenda. Colocou no Face que “Pra mim toda mulher é uma rainha... e o castelo dela é a cozinha

E dizem que a morte

E dizem que a morte, lá em Cuba, bateu na porta e Fidel Castro abriu. Quando viu a Horripilante com sua foice não teve dúvidas. Apontou o dedo na dire

Que alguém disse

Que alguém disse alguém disse ( e nem preciso dizer quem) que é preciso que tudo mude para nada mudar! E Rondônia e Porto Velho são o grande exemplo: