Porto Velho (RO) terça-feira, 21 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Carlos Henrique

VIADUTO OU ELEVADO?


 
Carlos Henrique Angelo

Não interessa. Pode chamar como quiser, desde que ele atenda. Pois é o que ficou demonstrado a partir desta terça-feira, quando o DNIT entregou ao tráfego de veículos a primeira perna da obra no trevo do Roque, sentido Cuiabá. Ainda que provisoriamente, pois há muito a ser feito, o elevado que prefiro chamar de viaduto atendeu plenamente ao que dele se esperava e colocou um ponto final no estrangulamento do tráfego que infernizava a vida dos usuários da BR. VIADUTO OU ELEVADO? - Gente de Opinião

Vi alguns comentários sobre a foto postada pela equipe do DNIT em comemoração ao feito. Algumas pessoas imaginam que, em função da demora da obra os técnicos e servidores do órgão não têm direito algum a comemorar. Tem sim! Tanto pela condição de cidadãos portovelhenses igualmente beneficiados como pelo fato de terem sido todos eles injusta e sistematicamente penalizados pelas críticas decorrentes da longa demora. As respostas são simples: 1 – O cidadão tem direito a reclamar? Sim! 2 – O DNIT tem culpa? Não! É a velha história do papagaio: o DNIT levou a fama.

É preciso lembrar que o trevo do Roque integra um grande projeto de travessia urbana de Porto Velho, que inclui uma série de obras de arte especiais, como elevados e passagens de nível, e pelo menos 20 quilômetros de vias laterais, ou marginais, desde o Cemetron, de um lado, e a estrada do Japonês, do outro, com toda a infraestrutura necessária. Daí o custo elevado.

 

Iniciado na gestão Roberto Sobrinho que conseguiu, graças ao prestígio junto ao governo petista, a delegação de competência para sua execução, o projeto foi paralisado ainda em sua gestão, por intervenção dos órgãos de fiscalização, que identificaram irregularidades na aplicação do dinheiro. Pois bem. Mauro Nazif tentou continuar a obra no início de seu governo, mesmo advertido sobre as irregularidades. Não conseguiu nada além de retardar por quase um ano a execução. Quando finalmente desistiu, Nazif anunciou pela imprensa que iria devolver tudo ao DNIT.
 

Acontece que, entre intenção e gesto vai uma longa distância. Mais demora. Depois disso foram necessários estudos para levantar o custo do remanescente a ser executado, além de um exaustivo trabalho para desembaraçar o projeto junto ao TCU e Ministério Público Federal. Quando finalmente tudo isso se tornou possível, faltou dinheiro – o país já estava em recessão e o orçamento do Ministério dos Transportes foi praticamente zerado. Na verdade a obra apenas foi retomada há quatro meses, graças ao empenho da nova equipe do DNIT, que tem todo o direito de comemorar pela proximidade do final não de uma longa novela, mas de um verdadeiro e permanente pesadelo.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Henrique

Falta de habilidade de Lúcio Mosquini estimula oposição

Falta de habilidade de Lúcio Mosquini estimula oposição

A julgar pelo andamento do desfile, o “Bloco do Eu Sozinho”, que o deputado Lúcio Mosquini tem imposto ao MDB desde sua posse na Presidência, para d

Gente de Opinião – 16 anos

Gente de Opinião – 16 anos

Gente de Opinião buscou desde sempre oferecer credibilidade e liberdade de expressão.

Williames Pimentel anuncia candidato a vice: Marco Antônio de faria

Williames Pimentel anuncia candidato a vice: Marco Antônio de faria

O candidato a prefeito de Porto Velho pelo MDB, o ex-secretário municipal e de estado da Saúde, Williames Pimentel, apresentou na manhã de ontem (18

Perícia técnica comprova fraude em denúncia contra o DNIT. PF não  investigou e enganou a justiça

Perícia técnica comprova fraude em denúncia contra o DNIT. PF não investigou e enganou a justiça

Não é a Brasília que o presidente da Assembleia, Laerte Gomes, deve encaminhar sua queixa contra o estado de conservação das rodovias federais em Ro