Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

C. H. ANGELO

VIADUTO OU ELEVADO?


 
Carlos Henrique Angelo

Não interessa. Pode chamar como quiser, desde que ele atenda. Pois é o que ficou demonstrado a partir desta terça-feira, quando o DNIT entregou ao tráfego de veículos a primeira perna da obra no trevo do Roque, sentido Cuiabá. Ainda que provisoriamente, pois há muito a ser feito, o elevado que prefiro chamar de viaduto atendeu plenamente ao que dele se esperava e colocou um ponto final no estrangulamento do tráfego que infernizava a vida dos usuários da BR. VIADUTO OU ELEVADO? - Gente de Opinião

Vi alguns comentários sobre a foto postada pela equipe do DNIT em comemoração ao feito. Algumas pessoas imaginam que, em função da demora da obra os técnicos e servidores do órgão não têm direito algum a comemorar. Tem sim! Tanto pela condição de cidadãos portovelhenses igualmente beneficiados como pelo fato de terem sido todos eles injusta e sistematicamente penalizados pelas críticas decorrentes da longa demora. As respostas são simples: 1 – O cidadão tem direito a reclamar? Sim! 2 – O DNIT tem culpa? Não! É a velha história do papagaio: o DNIT levou a fama.

É preciso lembrar que o trevo do Roque integra um grande projeto de travessia urbana de Porto Velho, que inclui uma série de obras de arte especiais, como elevados e passagens de nível, e pelo menos 20 quilômetros de vias laterais, ou marginais, desde o Cemetron, de um lado, e a estrada do Japonês, do outro, com toda a infraestrutura necessária. Daí o custo elevado.

 

Iniciado na gestão Roberto Sobrinho que conseguiu, graças ao prestígio junto ao governo petista, a delegação de competência para sua execução, o projeto foi paralisado ainda em sua gestão, por intervenção dos órgãos de fiscalização, que identificaram irregularidades na aplicação do dinheiro. Pois bem. Mauro Nazif tentou continuar a obra no início de seu governo, mesmo advertido sobre as irregularidades. Não conseguiu nada além de retardar por quase um ano a execução. Quando finalmente desistiu, Nazif anunciou pela imprensa que iria devolver tudo ao DNIT.
 

Acontece que, entre intenção e gesto vai uma longa distância. Mais demora. Depois disso foram necessários estudos para levantar o custo do remanescente a ser executado, além de um exaustivo trabalho para desembaraçar o projeto junto ao TCU e Ministério Público Federal. Quando finalmente tudo isso se tornou possível, faltou dinheiro – o país já estava em recessão e o orçamento do Ministério dos Transportes foi praticamente zerado. Na verdade a obra apenas foi retomada há quatro meses, graças ao empenho da nova equipe do DNIT, que tem todo o direito de comemorar pela proximidade do final não de uma longa novela, mas de um verdadeiro e permanente pesadelo.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre C. H. ANGELO

Perfil do eleitor - Por Carlos Henrique

Perfil do eleitor - Por Carlos Henrique

Arrisco-me a parecer preconceituoso, mas a realidade brasileira é a que estampa o vídeo que circula no zap, generosamente enviado pelo amigo Leo Ladei

Roda de chorinho na calçada do Buraco do Candiru

Roda de chorinho na calçada da Confraria do Buraco do Candiru.

BLOG DO CHÁ: Discussões etéreas - Por Elton Assis

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});   Elton Assis*   No momento em que as autoridades se dedicam a discussões etéreas e rarefeitas sobr

Catástrofe anunciada. Lago Maravilha: destruição e morte no Madeira - Por Carlos Henrique

Catástrofe anunciada. Lago Maravilha: destruição e morte no Madeira - Por Carlos Henrique

  Texto - Carlos Henrique Angelo Fotos - Marcos Grützmacher  Não é previsão catastrofista. Mas também não são necessários bola de cristal, dotes mediú