Porto Velho (RO) domingo, 26 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Carlos Henrique

Bolsonaro, quem diria, acerta uma, ao advertir para o risco de intervenção militar - Por Carlos Henrique


Bolsonaro, quem diria, acerta uma, ao advertir para o risco de intervenção militar - Por Carlos Henrique - Gente de Opinião
Alguém já comparou  o louco a um relógio parado: pelo menos uma vez por dia ele está certo. Parece ter sido o momento de Jair Bolsonaro. Ele disse à Folha que a situação do país é pior do que o período anterior a 1964. Ele criticou o aparelhamento de instituições e comparou a situação ao contexto do golpe militar. Mas demonstrou, logo em seguida, que continua Bolsonaro ao afirmar que a esquerda naquela época não estava tão aparelhada como está hoje. Estava sim!
 
Tivesse algum conhecimento sobre a história ele saberia que João Goulart não foi derrubado apenas pela direita, com Lacerda e sua UDN, da qual se aproximou o PSD. A esquerda forneceu farta munição aos golpistas, com Brizola no sul,  Arraes no Nordeste e os sindicatos em todo o país. Mais a CIA, claro, por conta da nacionalização das empresas americanas iniciada pelo então governador Leonel Brizola.
 
A ponto de, no fatídico comício da Central, meu conterrâneo Clodesmidt Riani, então deputado e presidente da CGT, ter anunciado, na véspera do movimento,  que parava o país em menos de 24 horas caso não fossem aprovadas as reformas que Jango negociava com as bancadas Congresso.
 
Bolsonaro parece desconhecer também que a organização sindical dos sargentos, vista como perigosa pela quebra da hierarquia militar, foi a gota dágua para os defensores do golpe de estado, que já tramavam e foram contidos pelos legalistas - o marechal Henrique Lott à frente - em vários episódios desde a tumultuada posse de Juscelino.
 
Mas a verdade é que, com o Executivo e o  Legislativo
claramente fragilizados perante a opinião pública, não ajuda em nada à estabilidade institucional do país o ativismo judicial que permite trapaças como a arquitetada pela defesa de Lula. Seus advogados, como que para esconder as unhas para não comprometer seu trabalho no STJ, não assinaram o recurso, mas foi uma clara manobra, verdadeira cilada para desacreditar Sérgio Moro.
 
Engana-se quem imagina que não há clima
para uma intervenção militar. Sempre há. Ele está agora mesmo sendo fomentado diariamente,  a cada nova trapalhada das autoridades.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Henrique

Energisa/Ceron demite 70 servidores e desativa atendimento local

Energisa/Ceron demite 70 servidores e desativa atendimento local

A Energisa/Ceron confirma o que foi anunciado aqui em 14 de março: o call center local será mesmo desativado e todos os servidores da empresa que pr

Rondônia: Energisa pode fechar call center e demitir 70 servidores

Rondônia: Energisa pode fechar call center e demitir 70 servidores

Mais uma da Energisa: o call center instalado em Porto Velho pela antiga Eletrobrás - Distribuição Rondônia, por sucessivas reclamações dos usuários,

Detran reage a crítica, acusa jornalista e exige direito de resposta

Detran reage a crítica, acusa jornalista e exige direito de resposta

É a velha história de punir o mensageiro pela má notícia. O procurador Geral do Detran, advogado Fernando Nunes Madeira, exigiu direito de resposta ao

Será o Expedito? Por Carlos Henrique

Será o Expedito? Por Carlos Henrique

Podem anotar: as primeiras pesquisas já vão apontá-lo na frente...