Porto Velho (RO) segunda-feira, 9 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Antônio de Almeida

A fábula do índio com duas serpentes: Qual deve ser alimentada?


A fábula do índio com duas serpentes: Qual deve ser alimentada? - Gente de Opinião

                      COBRA DO MAL                                                                     COBRA DO BEM


Um velho índio de nome jamais revelado, vulgarmente apelidado de SÁBIO, se tornara Pajé de uma aldeia no Alto Solimões, ainda muito jovem e, ao longo do exercício como autoridade silvícola,  prestara bons serviços a todas as demais tribos indígena  da região e de outras aldeias do entorno e chegou a realizar centenas de pajelanças, curas milagrosas, praticamente impossíveis.     

Sua fama percorreu longas distâncias, até ganhar notoriedade e prestígio em toda floresta e até do Peru e Colômbia, países fronteiriços.

Em um determinado dia, com sol no centro do céu, calor tropical escaldante de 40º C, no meio da floresta amazônica, o SÁBIO descansava deitado à sombra de uma frondosa árvore, ouvindo o gorjear dos pássaros, e o borbulhar das águas de uma cascata ao cair de um penhasco ao lado, quando de súbito surgiu um “curumim”, um filhote de índio muito jovem, ainda na primeira idade, criança, cheio de dúvidas e a cabeça encharcada  de interrogações que queria saber por que o Pajé se tornara tão “sábio” e tinha resposta para todas as perguntas?

O SÁBIO respondeu com uma pergunta, com duas respostas:

— você já ouvira falar que dentro de todo sábio existem duas serpentes que vivem em verdadeiro conflito, numa verdadeira guerra?

— a primeira, é uma cobra verde, a cobra do bem, que fala somente a verdade, que não aceita suborno, que não recebe propina e que não concorda em conviver com pessoas que matam e roubam.


O SÁBIO responde na ponta da língua.

— a segunda, é uma cobra vermelha, a cobra do mal, que mente todas as vezes que fala, que se alimenta de propina e como come ... e somente aceita em conviver em quadrilha, é aterrorizante e voraz.

O curumim ficou aterrorizado com as respostas do Pajé e meio atordoado e atônito questionou: qual a cobra que deve se tornar a vencedora?


O Curumim quer tirar suas dúvidas.

Quando o SÁBIO retrucou na ponta da língua:

— será aquela que você alimentar.  

— se você gostar da mentira, da roubalheira, alimenta a cobra vermelha.

— se você gostar da verdade, da seriedade, da honestidade, alimenta a cobra verde, até porque, também, o verde é a cor do bem, da vitória e do campeão Palmeiras.

 

 

CONCLUSÃO:

A escolha da serpente é uma questão de caráter e de nacionalidade. Cada um alimenta a serpente que tem afinidade e que o convém.

 

Nossos contatos:

E-mail: almeidaengenheiro@yahoo.com.br

WhatsApp: (69) 9 9220-9736

Blog ESPINHA NA GARGANTA

Twitter aas@almeida.com

Tenham todos um bom dia.

Antônio de Almeida Sobrinho tem Graduação em Engenharia de Pesca, UFC, com Pós-Graduação (Lato sensu) em Tecnologia do Pescado FAO/UFRPE; Pós-Graduação (Lato sensu) em Análise Ambiental na Amazônia Brasileira – UNIR/CREA-RO; Pós-Graduação (Lato sensu) em Docência do Ensino Superior – UCAM/PROMINAS; Pós-Graduação (Stricto sensu), em nível de Mestrado, em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente – UNIR; Presidente de Honra da Academia de Letras de Jaguaruana – A. L. J.      


Blogspot: ESPINHA NA GARGANTA

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Antônio de Almeida

Jaraqui, prato típico do Amazonas: fama de herói e cara de vilão

Jaraqui, prato típico do Amazonas: fama de herói e cara de vilão

A fama da espécie jaraqui (Semaprochilodus taeniurus) não se limita apenas como espécie de peixe que alimenta grande parte da população do estado do

Nuta de Pesar de Espinha na Garganta para Euro Tourinho

Nuta de Pesar de Espinha na Garganta para Euro Tourinho

É-nos com muita tristeza e pesar que venho através deste espaço, ESPINHA NA GARGANTA, fazer esta homenagem com uma NOTA DE PESAR ao jornalista EURO

Se preso, queriam o Lula livre: quando livre, não sabem o que fazer.

Se preso, queriam o Lula livre: quando livre, não sabem o que fazer.

O ‘MOVIMENTO LULA LIVRE’ está copiando aquela velha e degastada fábula do “Cachorro e o Caminhão” — que sempre que o CAMINHÃO passava com velocidade

Enfim, Lula livre: este é o país que queremos?

Enfim, Lula livre: este é o país que queremos?

Quando éramos crianças se alguém chegasse com um objeto desconhecido em casa que não nos pertencesse, mesmo que encontrado sem dono, éramos obrigado