Porto Velho (RO) sexta-feira, 27 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Antônio Cândido

CANHOTOS UNIDOS, JAMAIS SERÃO VENCIDOS!



          Antônio Cândido da Silva
 

        Como estamos em tempos de igualdades, de reivindicações das minorias, de indenizações pelo que os nossos antepassados sofreram e outras coisas mais, eu me pus a pensar: É hora dos canhotos reivindicarem seus direitos, pois, desde que o mundo existe, somos “bullingados”, chacoteados, humilhados e mostrados para a sociedade como um ser amaldiçoado desde os tempos em que Deus expulsou Lúcifer do Paraíso e lhe deu o nome de Diabo. 

        Eu fui criado por minha avó, a partir dos seis anos, quando fiquei órfão de mãe e lhes garanto que ela não tinha nada a ver com as avós de hoje. Ela pertencia àquela criação dos antigamente, do castigo, da palmatória, do convencimento pelo medo do inferno. Era culpa dela? Não, essa era a “metodologia educacional” da época e, vale dizer que meus irmãos e eu, tivemos sorte, pois, quando muito chegávamos à palmatória e nunca tivemos as costas lanhadas e lavadas com água, sal e vinagre com vi acontecer com vários colegas da vizinhança.

        Diziam que minha “esquerdice” era herança genética de minha mãe e, por conta disso, aprendi a escrever com a mão direita, à custa de muitas reguadas na mão (esquerda, é claro) com a desculpa de que o colégio, principalmente o dos padres, não permitia que se escrevesse com a Mão do Diabo.

        Assim fui obrigado a aprender sozinho, na base da observação, o que minha avó ensinava aos meus irmãos, como lavar louça, lavar roupa, fazer comida, passar roupa (com aqueles ferros a carvão) e o que ela, apenas uma vez, tentou me ensinar: torrar café.

        Ao chegar ao colégio, mais um problema. Cada carteira acomodava dois alunos e, na hora da prova, se um era canhoto, ficavam um de frente para prova do outro e, a solução era o canhoto mudar de lugar, porque quem escreve com a mão direita, é claro, não ia colar.

        Assim cresci e depois de muito estudo e leitura verifiquei que o preconceito é bem maior do que se possa imaginar, como por exemplo, o que nos dizem os dicionários:

canhoto

(ô) [De canho + -oto1.]

Adjetivo.

1.Que é mais hábil com a mão esquerda que com a direita; esquerdo, canho, canhoteiro. [Opõe-se a manidestro.]

2.Inábil, desajeitado, desastrado.

        Mas, continuando a ler o significado da palavra “canhoto” o dicionário me mostra o serguinte: 6. Bras. V. diabo (2).

         A essa altura, já me benzendo, fui verificar o “pai dos burros” para saber o que ele dizia sobre o dito cujo e quase caí de costas. Comecei a ler os mais de cento e cinquenta sinônimos: ...Demônio, Satanás, Satã, Lúcifer, anjo rebelde, belzebu, bruxo do inferno, dragão, espírito das trevas, espírito maligno, gênio das trevas, gênio do mal, pai da mentira, pai do mal, príncipe da treva, príncipe das trevas, príncipe do ar, príncipe dos demônios, serpente infernal, serpente maldita. [Para não enunciar o nome diabo, a superstição popular substitui-o por muitos outros, como: anhangá, anhanguera, anjo mau, arrenegado, atentado, azucrim, beiçudo, bicho, bicho-preto, bode-preto, bute, cafuçu, cafute, caneco, canheta, canhim, canhoto...

        Parei estupefato ao verificar que a minha avó fora bondosa comigo quando me ensinou que a mão esquerda era a mão do Diabo. Na verdade o canhoto inteiro era, por assim dizer, a imagem (ai meu Deus) do Bicho feio. Credo!

        Mas o vocábulo “manidestro” me fez lembrar que as embarcações usam os termos “destro e sinistro” para indicar o lado direito e esquerdo da embarcação ou a direção a navegar. Mas, o que esses vocábulos significam?

destro

(ê) [Do lat. dextru.] Adjetivo.

1.Direito (1). Que fica do lado direito. Dotado de destreza, hábil, ágil, desembaraçado, rápido: Nadador destro.

sinistro

[Do lat. sinistru, por via erudita.] Adjetivo.

1.Esquerdo (1). Que é de mau agouro, fúnebre, funesto, de má índole, mau, que infunde receio, ameaçador, temível, desastre, ruína, grande prejuízo material, dano, ocorrência de prejuízo ou dano (incêndio, acidente, naufrágio, etc.) em algum bem sobre o qual se fez seguro.
 

        E verifiquei que nada mudou. O que é direito é certo, correto, ágil, enfim, tudo de bom. Já o miserável do canhoto é tudo o que não presta e, por favor, não consultem os dicionários de sinônimos e antônimos.

Se pensarmos bem, nós os canhotos, somos objetos de preconceito em tudo o que nos rodeia. Na religião, por exemplo, vamos encontrar na Oração do Credo ...está sentado (Jesus) à direita de Deus pai todo poderoso...

        Na Santa Ceia, de Leonardo da Vinci, Judas (aquele que traiu Jesus) é justamente o terceiro apóstolo a esquerda do Mestre e, provavelmente, o Bom Ladrão fora crucificado a direita de Jesus.

        Alguém já viu uma Faculdade de Esquerdo? É claro que não e, para sorte nossa, esqueceram-se de proibir os canhotos de serem advogados.

A indústria, essa tem sido cruel com os canhotos. Alguém já viu uma serra circular para canhoto? Se o canhoto quiser usar uma dessas ferramentas, terá que aguentar o pó da madeira na cara porque a única saída do pó de serra é, justamente, para o lado direito. Se formos analisar com vagar vamos encontrar uma infinidade de objetos, feitos exclusivamente para destros, como por exemplo: tesouras, abridor de latas, tesoura de cortar grama, direção de carro e alavancas de marchas, sem esquecer as duchas higiênicas e o papel higiênico que sempre são colocados do lado errado para nós canhotos.

Mas, tudo isso, serviu para desenvolver a inteligência dos canhotos excluídos. Tornamo-nos, em muitos casos, bi destros ou nos adaptamos com facilidade às emergências, com uma rapidez incrível.

        Nos esportes, então, nos vingamos dos preconceituosos. Nenhum lutador que levar “uma esquerda” no queixo e, quero ver o goleiro que não tema uma “bicuda de esquerda” em direção a sua área.

        Mas, o que eu pretendo mesmo com esse artigo, é que os canhotos esqueçam as dificuldades do mauser, que vem programado para ser usado do lado direito, e se utilizem das redes sociais para marcarmos uma “manifestação pacífica,” em Brasília, para apresentarmos a nossa “Presidenta” a pauta de reivindicações dessa parcela da população tão injustiçada e vilipendiada, pelo que se sabe, desde os primórdios da humanidade.

        Temos que viver esse momento de exceção, quando as minorias é que estão ditando as regras, para conseguirmos uma pequena indenização por danos moral, nunca inferior a oitocentos mil reais, com juros e correção desde o começo do mundo e, para complementar, uma modesta aposentaria de cinco mil reais mensais, transformável em pensão para o cônjuge que ficar viúvo.

Vamos, depois, ao Congresso exigir uma Lei que retire dos dicionários todos os sinônimos preconceituosos imputados aos canhotos, que obrigue as indústrias a produzirem objetos adaptados para os não destros e trinta anos de prisão para quem ofender um canhoto publicamente.

Não se esqueçam de avisar aos black bloks que, se eles aparecerem para esvaziar a nossa manifestação, vamos botá-los pra correr sob “bicudas e cascudas de canhotas”

Lembremo-nos que esta é uma oportunidade única para conseguirmos os nossos objetivos, pois, pela primeira vez, temos um Partido de “Esquerda” no poder.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Antônio Cândido

ASSASSINOS DA NOSSA HISTÓRIA - A ORIGEM

ASSASSINOS DA NOSSA HISTÓRIA - A ORIGEM

Estou escrevendo o meu sexto romance entre os meus treze livros já escritos e, “Nas terras do Até que Enfim,” retrata a ocupação do antigo Território,

NA NOITE DE NATAL

NA NOITE DE NATAL

          Antônio Cândido da Silva. Na minha infância de menino pobre deixava meus pedidos na janela que eram feitos pra Papai Noel durante minhas noi

PORTO VELHO — SETENTA ANOS DE CUMPLICIDADES

PORTO VELHO — SETENTA ANOS DE CUMPLICIDADES

  Antônio Cândido da Silva   Estou a caminho de completar setenta anos que cheguei a Porto Velho, no distante ano de 1945. Vinha do Seringal Boa Hora,

D  E  S  A  B  A  F  O

D E S A B A F O

Antônio Cândido da Silva Estou a pensar com os meus botões e, de repente, me vem à lembrança que dia 14 de março é o dia nacional da poesia. Assim, co