Porto Velho (RO) terça-feira, 16 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Acir Gurgacz

Não adianta apenas cobrir o déficit com impostos


 O ajuste fiscal e o aumento de impostos anunciados pelo governo não irão resolver o problema do país se não vierem acompanhados de uma mudança estrutural na política econômica, acabando com a elevação de juros e de impostos. Não adianta apenas cobrir o déficit com impostos. A grande preocupação do governo deveria ser promover cortes substanciais nos gastos administrativos e correntes da máquina pública e gerar receitas através do aquecimento da economia, do setor produtivo, da indústria, da agropecuária, do setor de serviços e do comércio. Ou seja, é preciso mudar a política econômica.

Neste cenário de crise, o desafio de equilibrar as contas pode ser maior do que observamos nos indicadores do Orçamento da União para 2016 enviado ao Congresso. Como relator de Receitas do Orçamento, estou trabalhando para encontrar formas de gerar receita que não seja através da criação de novos impostos ou com o aumento dos impostos já existentes, que são muitos. E só vejo uma maneira disso ocorrer: é justamente reduzindo os juros e os impostos para estimular o setor produtivo.

O aumento da carga tributária e dos juros está criando um cenário recessivo no País. E aí é que está a origem da queda na arrecadação. Não admitimos que os trabalhadores e os empresários banquem sozinhos os custos do ajuste fiscal. Não podemos admitir que em período de ajuste fiscal a dívida pública cresça 17,28%, como ocorreu em 12 meses, de junho de 2014 a junho de 2015. E isso ocorreu justamente por conta do aumento da taxa Selic, uma vez que, segundo estudo da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, a cada aumento de 1% na taxa Selic, eleva-se a despesa de juros do Tesouro em R$ 12 bilhões anualmente.

A nossa dívida pública já chega a R$ 2,58 trilhões. A dívida bruta já representa 63% do PIB, o pior resultado da história. E ainda tem gente na equipe econômica que defende mais aumento dos juros, o que é uma loucura.

Não é isso que o Brasil precisa. Precisamos de respostas que incentivem o setor produtivo. Porque são as empresas, principalmente as pequenas e médias, que fazem a economia do Brasil andar. Assim como os pequenos e médios produtores rurais. São estas empresas e produtores que geram os empregos para nossa população e a arrecadação para o governo. E eles não aguentam mais juros elevados, impostos e dificuldades para obterem financiamento. Portanto, se o governo continuar não olhando para quem produz e sustenta o país a situação vai piorar muito.

Senador Acir Gurgacz

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Acir Gurgacz

Com muito trabalho e união, produção de café evolui em Rondônia

Com muito trabalho e união, produção de café evolui em Rondônia

É motivo de alegria para os rondonienses a leitura do 3º Boletim Agropecuário da Embrapa Rondônia deste ano sobre a produção de café. Mesmo com uma

 Acir apoia caminhoneiros e cobra redução do preço dos combustíveis

Acir apoia caminhoneiros e cobra redução do preço dos combustíveis

O senador Acir Gurgacz (PDT) manifestou seu apoio aos caminhoneiros contra mais uma alta dos combustíveis anunciada nesta segunda-feira, 21, pela Petr

Unificação da segurança deve reforçar combate à violência

Unificação da segurança deve reforçar combate à violência

  A segurança pública, ou a falta de segurança nos lares e nas cidades, é uma das maiores preocupações da população brasileira. O aumento da violência

Mais servidores são beneficiados com a transposição - Por Acir Gurgacz

Mais servidores são beneficiados com a transposição - Por Acir Gurgacz

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); Nesta semana promulgamos no Congresso Nacional a