Porto Velho (RO) sexta-feira, 20 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

A C L E R

TAMBÉM TENHO MEUS SONHOS


 TAMBÉM TENHO MEUS SONHOS - Gente de Opinião

                                            

Por William Haverly Martins

Certa vez perguntaram ao escritor Gabriel Garcia Marques, premiado com um Nobel de Literatura, e em tratamento de um câncer, o que ele faria de diferente se tivesse mais tempo de vida, e ele simplesmente respondeu: “eu sonharia mais, eu daria mais tempo da minha vida aos sonhos”.

Outro famoso, Martin Luther King, titulou o seu discurso de “I Have a Dream”, assim como Luther King, eu também tenho muitos sonhos, mas alguns destes sonhos poderão mudar de status, porque eu creio em mim e sei do que sou capaz: a persistência é a minha principal ferramenta.   

Em minha trajetória acadêmica, ganhei desafetos, sem nunca fazer ou desejar o mal a nenhum dos meus confrades... Mas não existe rancor no meu coração, nem guardo ódio. Sei que sou dono de um temperamento difícil, sou adepto da verdade e sei o quanto ela, às vezes, maltrata, obrigando-me, em raríssimas ocasiões, a ser hipócrita. Por isso, uso, na algibeira da consciência, a maior arma disponível na prateleira das virtudes humanas: o perdão!

Pois bem, senhores, não vou propagandear a minha plataforma de trabalho, não vou fazer promessas, à moda dos políticos, mas, vou, sim, contar-lhes os meus sonhos, neste processo interativo de mudança de diretoria, como se lhes estivesse, acenando com a bandeira branca da paz e da realização, mesmo sabendo das condições especiais por que fui aclamado presidente:

a) Começo pelo sonho maior de dar a Academia de Letras de Rondônia (ACLER), uma sede própria, um sonho de 28 anos, mais próximo do que muitos pensam;

b) O segundo sonho é o de conquistar um grupo de empresários e a sensibilidade de secretários dos governos estadual e municipal, no sentido de conseguir numerário suficiente para a publicação dos livros dos acadêmicos. Dói na memória lembrar da colega Sandra Castiel, com um belíssimo trabalho memorialista nas mãos, mendigando ajuda nas portas governamentais, sem lograr nenhum êxito. O confrade Gerino Alves da Silva possui uns três livros prontos, há mais de um ano, frutos de intensa pesquisa, mas que ainda não foram publicados. Eu e outros também possuímos livros, esperando ajuda para publicação. Isto precisa acabar e eu vou trabalhar na realização deste sonho. O secretário de educação do estado já sinalizou com boas novas e eu vou correr atrás: vocês não tem ideia como eu sou chato na hora de pedir as coisas para a academia;

c) Estou em negociação com um amigo do escritor João Ubaldo Ribeiro, membro da ABL, a fim de trazê-lo até Porto Velho, para uma palestra e uma noite de autógrafos;

d) O projeto da criação da comenda especial “Medalha do Centenário” já é uma realidade e o planejamento já está em curso, em parceria com a Câmara de Vereadores, sem ônus para a Academia. Vou trabalhar no quesito meritocracia, para não banalizar a comenda;

e) O último sonho não é o mais insignificante, ao contrário, para mim, é o mais importante: gostaria de convidar os acadêmicos que residem nesta capital para que voltem a frequentar a Academia. Logo logo estarei buscando patrocínio para realização do chá das cinco, às sextas feiras, em sala cedida pela administração da Biblioteca Municipal Francisco Meirelles. Isto até o término da sede definitiva.

Muitos acadêmicos esqueceram o juramento e a obrigação de frequentar as reuniões da Academia, sequer pagam as anuidades, como se o ingresso nas hostes acadêmicas servisse apenas para melhorar o currículo. Ainda não é a minha intenção, mas dentro do estatuto existem mecanismos para o cancelamento da “imortalidade”: devolver tais acadêmicos ao convívio de simples mortais será uma ótima opção, se as atitudes não forem modificadas. Por outro lado, se alguém achar que o ingresso na Academia foi um equívoco, faça um documento pedindo o seu desligamento, dê lugar a quem quer trabalhar pela cultura de nosso estado. Terei prazer em oferecer-lhe a cicuta do esquecimento...

Apesar dos pesares, torço para que os desertores voltem ao convívio fraterno e produtivo dos demais confrades, a tentativa de enfraquecer a Academia pela ausência é uma espécie de suicídio cultural.

Ah, meus caros confrades, fiz este discurso, intencionalmente, na primeira pessoa do singular, mas ficarei imensamente feliz, se ao término do meu mandato, puder repeti-lo na primeira pessoa do plural: trabalhar em conjunto é mais prazeroso, sei bem que o fogo de um tição não se compara às labaredas de uma fogueira. Estarei aguardando a ajuda de todos, mas se ela não vier, trabalharei com a mesma intensidade de costume, a brasa do meu tição só a morte apaga. Para encerrar, repito aqui uma velha metáfora poética: que venham as tempestades, o meu guarda-chuva já está aberto.

Muito Obrigado!

Porto Velho, 29 de janeiro de 2014.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre A C L E R

As botinas da discórdia assombram Vila Murtinho - Causos do berço do madeira:

As botinas da discórdia assombram Vila Murtinho - Causos do berço do madeira:

Entre a caixa d’água e a Igreja de Nossa Senhora Terezinha, ficava a residência do José Ribeiro da Costa, administrador da estação ferroviária da Es

Academia de Letras de Rondônia lança primeira Antologia

Academia de Letras de Rondônia lança primeira Antologia

Contos, crônicas, poesias e histórias diversas são os estilos adotados pelos 23 imortais que participam da Antologia 2017, que está sendo lançada por

ACLER tem sarau cultural amanhã

ACLER tem sarau cultural amanhã

  Será amanhã, sexta-feira, a partir das 19 horas, no hall da Unir/Centro, o Sarau Cultural  realizado pela Academia de Letras de Rondônia, ACLER, dan