Porto Velho (RO) sábado, 11 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

A C L E R

PESQUISADORA MOSTRA IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE PROFISSIONAIS POUCO ESTUDADOS NA AMAZÔNIA


PESQUISADORA MOSTRA IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE PROFISSIONAIS POUCO ESTUDADOS NA AMAZÔNIA - Gente de Opinião

A professora e pesquisadora Lucileyde Feitosa fez o lançamento do livro Espaços Dialógicos dos Barqueiros na Amazônia: uma relação humanista com o rio, resultado de sua tese de doutorado defendida no Programa Mestrado/Doutorado em Geografia da Universidade Federal do Paraná em 2012.

O lançamento se deu em dois grandes momentos: o primeiro durante o XIV Congresso Ibérico de Geografia, em Guimarães – Portugal (2014), evento internacional que reuniu pesquisadores, professores e estudantes universitários de diversos países no ano passado; o segundo ocorreu em Porto Velho, no palco de excelência do conhecimento: Biblioteca Municipal Francisco Meirelles, no dia 13 de maio de 2015, e pela pesquisadora atuar como administradora desse espaço guardião da memória cultural do estado de Rondônia.

Esta obra inédita trata da construção da poética e das espacialidades dos barqueiros do rio Madeira, mediante uma análise humanista cultural da geografia, com viés fenomenológico. A pesquisadora teve o compromisso de mostrar o mundo vivido desses profissionais pouco estudados na Amazônia e a importância de um trabalho que garante a mobilidade fluvial no interior da Amazônia, sendo a própria sustentabilidade de um modo de vida que vive em interação com a floresta amazônica.

Por outro lado, a construção das Usinas Hidrelétricas de grande porte denominadas de Santo Antônio e Jirau, ambas localizadas em Porto Velho, trouxe impactos que promoveram uma nova dinâmica de reorganização do espaço, do território e mudança da qualidade de vida da população com perdas imensuráveis, principalmente na dinâmica vivida da população tradicional com o rio Madeira.

A riqueza da cultura amazônica, o saber ambiental são destaques no livro, sobretudo, como ribeirinhos e barqueiros se relacionam com o rio Madeira e a faixa etária dos participantes da pesquisa variou de 18 a 72 anos e possuem origens nordestinas e amazônicas.

 Desta forma, a autora do livro mostra a construção poética estabelecida a partir do rio, das espacialidades, do convívio que barqueiros e ribeirinhos tem pela natureza, o que proporcionou evidenciar um universo rico linguístico que descreve o espaço amazônico através de expressões, representações e percepções ambientais.

Conforme Lucileyde Feitosa, não se pode deixar de evidenciar a grande problemática ambiental presente no rio Madeira e interessa a geografia humana que estuda inclusive os impactos que os grandes empreendimentos para o setor energético trouxeram na organização das populações tradicionais da Amazônia.

Nesta breve síntese da pesquisa, o saber dos barqueiros é construído socialmente e transmitido através dos processos interlocutivos tidos como necessários para a sobrevivência e sustentabilidade do grupo. A importância dessa pesquisa se voltou para o conhecimento da própria diversidade amazônica, dos saberes existentes no espaço de representação das pessoas em relação ao rio Madeira, no estado de Rondônia.

“Falar do trabalho dos barqueiros e das problemáticas ambientais encontradas no rio Madeira deve ser um compromisso de qualquer pesquisador que se importa e valoriza a dimensão da vida, dos saberes tradicionais e os habitantes da Amazônia”. Cita Lucileyde.

Portanto, as principais contribuições geográficas são no sentido de pensar sobre os espaços dos homens, os significados construídos nessa relação com a natureza, bem como a valorização do espaço vivido das pessoas.

William Haverly Martins

Presidente da ACLER

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre A C L E R

Academia de Letras de Rondônia lança primeira Antologia

Academia de Letras de Rondônia lança primeira Antologia

Contos, crônicas, poesias e histórias diversas são os estilos adotados pelos 23 imortais que participam da Antologia 2017, que está sendo lançada por

ACLER tem sarau cultural amanhã

ACLER tem sarau cultural amanhã

  Será amanhã, sexta-feira, a partir das 19 horas, no hall da Unir/Centro, o Sarau Cultural  realizado pela Academia de Letras de Rondônia, ACLER, dan

ACLER comemora 31 anos com Sarau na Francisco Meirelles

ACLER comemora 31 anos com Sarau na Francisco Meirelles

  Acadêmicos na sessão solene da Assembleia legislativa em 2016 pela passagem dos 30 anos da ACLER Os 31 anos de criação da Academia de Letras de Rond