Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

UNIR integra gabinete de crise para monitorar invasões em áreas indígenas


UNIR integra gabinete de crise para monitorar invasões em áreas indígenas - Gente de Opinião

Detentora de um amplo conhecimento da realidade vivida pelas comunidades indígenas, acumulado desde a implantação em 1998 do Programa de Formação de Professores Indígenas, denominado Projeto Açaí, e em 2006 do curso de licenciatura intercultural no campus de Ji-Paraná, a Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR) é uma das partícipes da união de esforços institucionais promovida pelo Ministério Público da União (MPU) visando à superação da crise decorrente da presença de invasores na área indígena Uru-Eu-Wau-Wau.

 

Recentemente foi notícia em rede nacional de televisão a presença de cerca de quarenta posseiros, todos armados, dispostos à ocupação da área indígena, gerando a iminência de um conflito, uma vez que os índios se mostram dispostos a enfrentá-los. Foi para solucionar essa crise, que o procurador da República Daniel Azevedo Lôbo, chefe do MPU em Rondônia, conclamou instituições como a UNIR, a seção rondoniense da Ordem dos Advogados do Brasil e a Polícia Federal, dentre outras, a uma reunião realizada nessa segunda-feira, 14, na qual a UNIR foi representada pelo professor do Departamento de Ciências Jurídicas (DCJ) e advogado do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) Gustavo Dandolini, por indicação do vice-reitor no exercício da reitoria, professor doutor Marcelo Vergotti, entendendo que todos os esforços possíveis devem ser implementados para que não haja nenhum tipo de enfrentamento armado entre indígenas e posseiros, com a resolução da crise de maneira pacífica.

 

De acordo com as informações trazidas à reunião, os índios falam em reagir, havendo assim a ameaça de conflito. A proposta é de que as instituições atuem conjuntamente, assegurando não apenas que o conflito armado seja evitado, mas também que se construa uma solução efetiva para o problema. O procurador da República Daniel Lôbo afirmou que vai ver se consegue o apoio do Governo do Estado, para que a Polícia Militar apoie a Polícia Federal, já que esta não conta com efetivo suficiente para ações dessa natureza.

 

Além da dirigente da Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé, Ivaneide Bandeira, e de líderes da etnia Uru-Eu-Wau-Wau, também se fizeram presentes representantes dos caritianas e o caripunas, tendo sido abordados os problemas vividos, em um contexto bastante semelhante, em face da invasão das respectivas áreas indígenas por madeireiros e outros exploradores ilegais dos recursos naturais encontrados nessas porções territoriais, bem como os interessados em implantar novas áreas de expansão da pecuária e da sojicultura.

Os índios Uru-Eu-Wau-Wau relataram que os invasores se encontram armados e têm feito seguidas ameaças ao cacique e outras lideranças. Um aspecto ressaltado foi o fato de que é a primeira vez que uma ação de invasão de terra indígena e operada de forma tão ostensiva, já que de outras vezes os invasores sempre agiram adentrando a área onde seus limites não são muito nítidos. Desta vez estão sendo mais ousados, posicionando seus acampamentos próximo ao local em que se encontra a placa com a identificação da área.


Fonte: UNIR - http://www.unir.br/index.php?pag=noticias&id=26453

Mais Sobre Amazônias

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

É preciso olhar para cima para perceber a beleza grandiosa do mulateiro (Calycophyllum sprunceanum), árvore cujo tronco esbelto se direciona reto ao

Jovens lideranças ribeirinhas da Amazônia criam Rede de Gestores Comunitários

Jovens lideranças ribeirinhas da Amazônia criam Rede de Gestores Comunitários

A região do Médio Solimões, no Amazonas, abriga centenas de comunidades ribeirinhas, presentes também nas diversas unidades de conservação da área.

Macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta pode ser extinto nos próximos 40 anos, mostra pesquisa

Macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta pode ser extinto nos próximos 40 anos, mostra pesquisa

Pequeno e ágil, o amazônico macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii) corre o risco de ser extinto nas próximas décadas. Isso porque as mu

Força Tarefa Amazônia denuncia nove pessoas por invasão e loteamento da terra indígena Karipuna

Força Tarefa Amazônia denuncia nove pessoas por invasão e loteamento da terra indígena Karipuna

Nove pessoas e duas empresas foram denunciadas pelo Ministério Público Federal (MPF) pelos crimes de organização criminosa, estelionato, invasão p