Porto Velho (RO) domingo, 19 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

TREMOR DE TERRA É SENTIDO EM PORTO VELHO


TREMOR DE TERRA É SENTIDO EM PORTO VELHO - Gente de Opinião

Por volta das 17h, um abalo sísmico foi sentido em Porto Velho. Segundo  moradores de prédios próximos ao Ministério Público, eles perceberam o tremor, que foi sentido com pequena intensidade e demorou apenas alguns segundos.

Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), o terremoto, de magnitude 7,3 na escala Richter, teve seu epicentro na costa norte da  Venezuela, na cidade de Guiria, mas também atingiu a capital, Caracas, e o norte do Brasil, em Boa Vista,  Manaus e Porto Velho (não temos informação se outros foram atingidos)

Há cerca de pouco mais de um ano, no dia 5 de agosto de 2017, outro abalo semelhante atingiu Porto Velho, porém originário no Peru. Em anos recentes esses abalos têm atingido com maior frequência algumas cidades de Rondônia.

Duração: 2 minutos e 12 segundos | Visualizações: 495

Mais Sobre Amazônias

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Onde e como a Amazônia entra nessa história escrita por linhas tortas?

Pesquisadores iniciam campanha de captura científica de onças-pintadas em reserva na Amazônia

Pesquisadores iniciam campanha de captura científica de onças-pintadas em reserva na Amazônia

Capturas científicas acontecem periodicamente há mais de dez anos na Reserva Mamirauá. Objetivo dos cientistas é monitorar o movimento e área de vida

Instituto Mamirauá oferece curso de manejo de pirarucu na Amazônia

Instituto Mamirauá oferece curso de manejo de pirarucu na Amazônia

Curso está na nona edição e capacita profissionais para a implementação de sistemas de manejo de pirarucu. Interessados podem se inscrever até 15 de m

Instituto Mamirauá está à procura de bolsistas para o estudo de práticas agrícolas na Amazônia

Instituto Mamirauá está à procura de bolsistas para o estudo de práticas agrícolas na Amazônia

As bolsas têm duração de até cinco anos e são indicadas à pesquisadores com disponibilidade de trabalhar na Amazônia Central, nas reservas onde o inst