Porto Velho (RO) domingo, 22 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Prefeito paraense é condenado por grilagem em Floresta Nacional


Prefeito paraense é condenado por grilagem em Floresta Nacional - Gente de Opinião
Prefeito grilou 39,6 mil hectares da Floresta Nacional de Caxiuanã, entre os rios Xingu e Anapu, norte paraense /PPBio


 

MPF-PA


BELÉM, Pará – O Ministério Público Federal (MPF) no Pará encaminhou à Justiça ontem pedido para que seja mantida a sentença que condenou o ex-prefeito de Porto de Moz, Gerson Salviano Campos, por grilagem de uma área de 39,6 mil hectares da Floresta Nacional de Caxiuanã, entre os rios Xingu e Anapu, norte paraense.


Em maio deste ano o juiz federal Antonio Carlos Almeida Campelo, da Justiça Federal em Altamira, declarou nulo o registro da área, denominada fazenda Itaboraí, e condenou o ex-prefeito ao pagamento de R$ 500 mil por danos morais.


Em junho o condenado ajuizou no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) recurso contra a sentença, alegando que havia adquirido o imóvel de boa-fé. Na manifestação do MPF pela negação do recurso, o procurador da República Felício Pontes Jr. rechaça essa argumentação, informando à Justiça que o próprio sogro do ex-prefeito, de quem Gerson Salviano Campos diz ter comprado a fazenda, declarou à Polícia Federal que a escritura de compra e venda é falsa. Ainda em 2003, ao ajuizar a ação por grilagem, o MPF informou que o Instituto de Terras do Pará (Iterpa) considerou falsos os documentos.


Quanto ao argumento da defesa de que a ação ajuizada pelo MPF já teria prescrito, o procurador da República diz considerar tal afirmação “totalmente descabida”. Segundo ele, por tratar-se de terra de domínio público, a própria Constituição garante que não há prescrição para ações judiciais desse tipo.


Ao recorrer contra a condenação, o ex-prefeito também alegou que sua conduta não causou prejuízos morais à sociedade e que por isso não deveria ter que pagar a multa de R$ 500 mil. Para Pontes Jr., não só a grilagem já pode ser considerada uma afronta à toda a sociedade, punível com o pagamento de indenização.


– A situação torna-se ainda mais esdrúxula quando se constata que a conduta foi praticada por quem detém cargo público e, portanto, deveria constituir exemplo de moralidade dentro da administração pública – ressalta Pontes Jr.

Mais Sobre Amazônias

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

“O gado não é o grande vilão, a forma que é feita essa produção que pode ser maléfica ou não”, explica a engenheira agrônoma Jerusa Cariaga. Isso po

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

O programa Ambiente É o Meio desta quarta-feira conversa com o engenheiro, pesquisador e coordenador do Programa Amazônia, do Instituto Nacional de Pe

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Realizar partos é um conhecimento milenar transmitido de geração em geração pelos povos amazônicos. Com o objetivo de identificar os usos e espécies

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

É preciso olhar para cima para perceber a beleza grandiosa do mulateiro (Calycophyllum sprunceanum), árvore cujo tronco esbelto se direciona reto ao