Porto Velho (RO) terça-feira, 16 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

População da Amazônia segue isolada - Por Marcelo Freire


Nesta semana, os participantes da última  audiência pública do primeiro semestre promovida pela Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado Federal disseram que a  execução da obra de recuperação da BR-319, que liga Porto Velho (RO) a Manaus (AM), ainda depende da conclusão de estudos de impacto ambiental e indígena.

A novidade é que já foram gastos mais de R$ 100 milhões em estudos ambientais para viabilizar a repavimentação da rodovia.  Esse valor é quase um terço dos US$ 150 milhões gastos na construção de toda a rodovia na década de 1970, somente para estudos ambientais, informou o senador Acir Gurgacz (PDT), vice-presidente da Comissão, e que ao longo do seu mandato tem defendido a restauração da rodovia.

Ocorre que mais de 4 anos já se passaram e a população segue isolada no período das chuvas, quando a rodovia federal fica completamente intrafegável.  A BR-319 tem 877,4 quilômetros de extensão e é a única ligação rodoviária entre Manaus e Porto Velho e o restante do país.  O recapeamento da BR-319 é de extrema importância, porque o Amazonas não produz a maior parte dos alimentos que consome.

Os preço dos alimentos no Amazonas é um absurdo e  basicamente que é consumido na região vem de Rondônia e Roraima. Em Roraima há uma BR asfaltada que liga o estado à Região Norte e a outros países. Essa BR passa por terras indígenas. E não temos ainda a recuperação da BR-319, que não passa por reserva indígena.

Se espera da nova direção do Departamento  de Infraestrutura Ferroviária do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), uma solução mais eficaz para o caso. Todos sabem que o  segmento não licenciado, conhecido como trecho do meião da floresta, tem 405,7 Km de extensão. Para a execução das obras, o Ibama exigiu a elaboração do estudo e do relatório de impacto ambiental.

A diretora de Licenciamento Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Larissa Carolina Amorim, informou que, em 2008, o órgão devolveu o estudo de impacto ambiental, pois considerou insuficiente para a análise. Desde então, nenhum outro estudo foi apresentado.

Muitos ainda se arriscam em transitar pela rodovia no período do inverno Amazônia, o que aumenta o risco de isolamento. Recentemente estudantes foram resgatados pelo Exército após permaneceram mais de 5 dias isolados. É preciso buscar uma saída urgente para a recuperação da rodovia. A Amazônia começa a enfrentar hoje o período da estiagem, período importante para a execução de obras de restauração da rodovia. Vamos aguardar.

Mais Sobre Amazônias

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

houve registro inédito do gavião-preto como predador de ovos do jacaré-açu

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Entre os kambeba da terra indígena do Jaquiri, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas, 47 das 49 pessoas que residem na peque

Websérie conta histórias de cientistas de todo o Brasil e de ribeirinhos que se uniram para conservar a Amazônia

Websérie conta histórias de cientistas de todo o Brasil e de ribeirinhos que se uniram para conservar a Amazônia

Há mais de 20 anos, cientistas começaram a desembarcar na cidade de Tefé, no estado do Amazonas, e se unir a ribeirinhos na região do Médio Solimões,

Desmatamento: Espécie de macaco da Amazônia pode perder até 59% de habitat nos próximos 40 anos, aponta estudo

Desmatamento: Espécie de macaco da Amazônia pode perder até 59% de habitat nos próximos 40 anos, aponta estudo

De cabeça arredondada e pelagem escura, o macaco-barrigudo (Lagothrix cana), um dos maiores primatas da Amazônia, corre o risco de perder cerca de 59%