Porto Velho (RO) segunda-feira, 14 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Pesquisa investiga causas da distribuição e riqueza de mamíferos em ilhas de rio na Amazônia Central


As onças-pintadas são animais generalistas e podem ser encontradas em ilhas de rio com muita ou pouca floresta no entorno - crédito Emiliano Ramalho - Gente de Opinião
As onças-pintadas são animais generalistas e podem ser encontradas em ilhas de rio com muita ou pouca floresta no entorno - crédito Emiliano Ramalho
Estudo associado ao Instituto Mamirauá analisou ilhas fluviais na região do médio Rio Solimões. Pesquisadores propõe métodos para avaliar a distribuição de espécies de fauna nesses ambientes

 

Um artigo publicado em janeiro na revista científica Biotropica apresenta um panorama sobre a influência da paisagem na distribuição de mamíferos em ilhas fluviais no médio curso do rio Solimões, Amazônia Central. O estudo aponta que o tamanho dessas ilhas não determina a distribuição e variedade de espécies de mamíferos.
 
As ilhas de rio são ambientes dinâmicos e ainda pouco conhecidos pela ciência. O ritmo das águas fluviais, entre estações de cheia e seca, marca mudanças nessas porções de terra que podem surgir, mudar de lugar ou desaparecer em poucos anos.
 
De acordo com os pesquisadores, a quantidade de habitat disponível na paisagem, ou seja, a quantidade de floresta no entorno da ilha, pode ser um índice eficaz para avaliar a diversidade e composição animal. Ou seja, quanto mais floresta, maior a riqueza de espécies.
 
“A ‘hipótese da quantidade de habitat' foi recentemente proposta como sendo a melhor explicação para os padrões de distribuições das espécies que ocorrem em habitat fragmentados (como as ilhas de rio). Ela sugere que a quantidade de habitat disponível na paisagem seja o principal fator determinante da distribuição das espécies nesses tipos de ambientes”, explica o pesquisador associado do Instituto Mamirauá, Rafael Rabelo, que assina o artigo.
 
Rafael, que atualmente desenvolve uma tese de doutorado no Instituto de Pesquisas da Amazônia (INPA), ressalta a importância de usar índices de avaliação de rápida resposta e que sejam coerentes com a paisagem local, como as ilhas de rio, com foco na conservação da biodiversidade.
 
“No contexto dos desafios de conservação atuais, onde precisamos de tomadas de decisão rápidas e eficientes, precisamos de variáveis que sejam fáceis de medir e, ao mesmo tempo, sejam boas preditoras da distribuição das espécies”, diz.
 
Entre 2013 e 2014, a equipe de pesquisa coletou amostras em quatorze ilhas e também em florestas de várzea contínuas na região. Foram registradas espécies por observação visual e vestígios deixados pelos animais, como fezes. O grupo também levantou a ocorrência de onças-pintadas e espécies semi-arborícolas por meio de pegadas e sinais recentes de terra escavada.
 
Os dados também indicaram que algumas espécies têm menor chance de ocorrer nas ilhas, seja porque são mais sensíveis à quantidade de habitat disponível na paisagem, o que significa que vivem apenas em ilhas com maior quantidade de habitat, ou porque são naturalmente menos abundantes, tais como a mambira, o quati e o macaco-de-cheiro. No outro extremo, estão a onça, os guaribas e as preguiças, que são naturalmente mais abundantes e mais generalistas nesse quesito e ocorrem tanto em ilhas com pouca e com muita floresta no entorno.
 
O artigo, nomeado “Habitat amount hypothesis and passive sampling explain mammal species composition in Amazonian river islands”, é uma colaboração entre Rafael Rabelo e os pesquisadores Júlio César Bicca-Marques, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Susan Aragón, da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e Bruce Walker Nelson, do INPA. O trabalho está disponível em versão online no site da revista especializada (acesse aqui).
 
O Instituto Mamirauá é uma unidade pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Mais Sobre Amazônias

A soberania

A soberania

O mundo apenas quer que não derrubem a floresta da Amazônia em 2019, mas não se interessa pela soberania do Brasil.

No Amazonas, Instituto Mamirauá realiza 1º Oficina de Certificação Orgânica

No Amazonas, Instituto Mamirauá realiza 1º Oficina de Certificação Orgânica

O mercado de alimentos orgânicos tem ganhado cada vez mais espaço e valorização a medida que são comprovados os malefícios à saúde humana e ao meio

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

“O gado não é o grande vilão, a forma que é feita essa produção que pode ser maléfica ou não”, explica a engenheira agrônoma Jerusa Cariaga. Isso po

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

O programa Ambiente É o Meio desta quarta-feira conversa com o engenheiro, pesquisador e coordenador do Programa Amazônia, do Instituto Nacional de Pe