Porto Velho (RO) terça-feira, 16 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Óleo de pimenta-de-macaco será utilizado como inseticida orgânico


 
A Embrapa Acre, em parceria com a Universidade Federal de Viçosa, está pesquisando óleos essenciais de pimenta-de-macaco (Piper aduncum), para serem utilizados como inseticidas orgânicos. Segundo o pesquisador Murilo Fanzolin, coordenador do projeto, uma das metas da Embrapa Acre, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) é prospectar no mercado elementos da biodiversidade amazônica para o desenvolvimento de produtos diferenciados. A pimenta-de-macaco é uma espécie nativa da Amazônia, encontrada em abundância em áreas de capoeira, principalmente no Acre.

“A grande demanda nacional e mundial para o mercado de inseticidas biológicos foi um dos motivos para desenvolvermos essa pesquisa. Também pretendemos atender à agricultura orgânica. No Brasil, em 2008, foram cultivados 932 mil hectares para produção orgânica certificada”, afirma Fanzolin.

O projeto de pesquisa irá durar dois anos e os experimentos iniciais serão realizados em lavouras de milho. A ideia é utilizar o inseticida orgânico no controle também de outras pragas da agricultura. As pesquisas que envolvem os óleos essenciais das pimentas-longas, que incluí a pimenta-de-macaco, na Embrapa Acre duram cerca de dez anos.

Sinérgicos

Além de atuarem como inseticidas, esses produtos também estão sendo testados como sinérgicos, substâncias utilizadas para aumentar a potência de inseticidas comerciais, o que proporciona uma redução das doses aplicadas no ambiente.

Para o pesquisador da área de biologia animal da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Raul Guedes, que esteve em Rio Branco este mês para estruturar o projeto de cooperação técnica entre as duas instituições, a pesquisa com óleos essenciais de pimenta-de-macaco engloba um bom argumento técnico, científico e comercial “A ideia é interessante porque a demanda por inseticidas é grande e poucas instituições trabalham com a possibilidade de aumentar a potência dos produtos existentes”, finaliza.

Informações:
Pesquisador Murilo Fanzolin / Embrapa Acre
Contato: (68) 3212-3275
murilo@cpafac.embrapa.br  

Mais Sobre Amazônias

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

houve registro inédito do gavião-preto como predador de ovos do jacaré-açu

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Entre os kambeba da terra indígena do Jaquiri, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas, 47 das 49 pessoas que residem na peque

Websérie conta histórias de cientistas de todo o Brasil e de ribeirinhos que se uniram para conservar a Amazônia

Websérie conta histórias de cientistas de todo o Brasil e de ribeirinhos que se uniram para conservar a Amazônia

Há mais de 20 anos, cientistas começaram a desembarcar na cidade de Tefé, no estado do Amazonas, e se unir a ribeirinhos na região do Médio Solimões,

Desmatamento: Espécie de macaco da Amazônia pode perder até 59% de habitat nos próximos 40 anos, aponta estudo

Desmatamento: Espécie de macaco da Amazônia pode perder até 59% de habitat nos próximos 40 anos, aponta estudo

De cabeça arredondada e pelagem escura, o macaco-barrigudo (Lagothrix cana), um dos maiores primatas da Amazônia, corre o risco de perder cerca de 59%