Porto Velho (RO) quinta-feira, 23 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Óleo de pimenta-de-macaco será utilizado como inseticida orgânico


 
A Embrapa Acre, em parceria com a Universidade Federal de Viçosa, está pesquisando óleos essenciais de pimenta-de-macaco (Piper aduncum), para serem utilizados como inseticidas orgânicos. Segundo o pesquisador Murilo Fanzolin, coordenador do projeto, uma das metas da Embrapa Acre, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) é prospectar no mercado elementos da biodiversidade amazônica para o desenvolvimento de produtos diferenciados. A pimenta-de-macaco é uma espécie nativa da Amazônia, encontrada em abundância em áreas de capoeira, principalmente no Acre.

“A grande demanda nacional e mundial para o mercado de inseticidas biológicos foi um dos motivos para desenvolvermos essa pesquisa. Também pretendemos atender à agricultura orgânica. No Brasil, em 2008, foram cultivados 932 mil hectares para produção orgânica certificada”, afirma Fanzolin.

O projeto de pesquisa irá durar dois anos e os experimentos iniciais serão realizados em lavouras de milho. A ideia é utilizar o inseticida orgânico no controle também de outras pragas da agricultura. As pesquisas que envolvem os óleos essenciais das pimentas-longas, que incluí a pimenta-de-macaco, na Embrapa Acre duram cerca de dez anos.

Sinérgicos

Além de atuarem como inseticidas, esses produtos também estão sendo testados como sinérgicos, substâncias utilizadas para aumentar a potência de inseticidas comerciais, o que proporciona uma redução das doses aplicadas no ambiente.

Para o pesquisador da área de biologia animal da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Raul Guedes, que esteve em Rio Branco este mês para estruturar o projeto de cooperação técnica entre as duas instituições, a pesquisa com óleos essenciais de pimenta-de-macaco engloba um bom argumento técnico, científico e comercial “A ideia é interessante porque a demanda por inseticidas é grande e poucas instituições trabalham com a possibilidade de aumentar a potência dos produtos existentes”, finaliza.

Informações:
Pesquisador Murilo Fanzolin / Embrapa Acre
Contato: (68) 3212-3275
murilo@cpafac.embrapa.br  

Mais Sobre Amazônias

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Onde e como a Amazônia entra nessa história escrita por linhas tortas?

Pesquisadores iniciam campanha de captura científica de onças-pintadas em reserva na Amazônia

Pesquisadores iniciam campanha de captura científica de onças-pintadas em reserva na Amazônia

Capturas científicas acontecem periodicamente há mais de dez anos na Reserva Mamirauá. Objetivo dos cientistas é monitorar o movimento e área de vida

Instituto Mamirauá oferece curso de manejo de pirarucu na Amazônia

Instituto Mamirauá oferece curso de manejo de pirarucu na Amazônia

Curso está na nona edição e capacita profissionais para a implementação de sistemas de manejo de pirarucu. Interessados podem se inscrever até 15 de m

Instituto Mamirauá está à procura de bolsistas para o estudo de práticas agrícolas na Amazônia

Instituto Mamirauá está à procura de bolsistas para o estudo de práticas agrícolas na Amazônia

As bolsas têm duração de até cinco anos e são indicadas à pesquisadores com disponibilidade de trabalhar na Amazônia Central, nas reservas onde o inst