Porto Velho (RO) terça-feira, 23 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Novo estudo indica o aumento do nível do mar após o colapso das plataformas de gelo da Antártida


Novo estudo indica o aumento do nível do mar após o colapso das plataformas de gelo da Antártida - Gente de Opinião

 European Geosciences Union*

Uma equipe internacional de cientistas mostrou quanto o nível do mar aumentaria se Larsen C e George VI, duas plataformas de gelo da Antártida em risco de colapso, se separarem. Embora Larsen C tenha recebido muita atenção devido à quebra de um trilhão de toneladas de iceberg no verão passado, seu colapso contribuiria apenas alguns milímetros para o aumento do nível do mar. O desmembramento da menor plataforma de gelo George VI teria um impacto muito maior. A pesquisa foi publicada hoje no jornal europeu The Geospiences Union The Cryosphere .

O recente e rápido aquecimento na Península Antártica é uma ameaça às plataformas de gelo na região, com Larsen C e George VI considerados o maior risco de colapso. Como essas grandes plataformas de gelo retêm as geleiras do interior, o gelo carregado por essas geleiras pode fluir mais rápido para o mar quando as plataformas de gelo colapsam, o que contribui para a elevação do nível do mar. O novo estudo mostra que um colapso de Larsen C resultaria no descarregamento de gelo interno a cerca de 4 mm do nível do mar, enquanto a resposta das geleiras ao colapso de George VI poderia contribuir mais de cinco vezes para os níveis globais do oceano, em torno de 22 mm.

“Esses números, embora não sejam enormes em si, são apenas uma parte de um orçamento maior no nível do mar, incluindo a perda de outras geleiras ao redor do mundo e das geleiras da Groenlândia, do leste e do oeste da Antártida. Tomados em conjunto com essas outras fontes, os impactos podem ser significativos para nações insulares e populações costeiras ”, explica o autor do estudo, Nicholas Barrand, um glaciologista da Universidade de Birmingham, no Reino Unido. Ele acrescenta: “A Península Antártica pode ser vista como um termômetro para as mudanças nas camadas de gelo da Antártica Oriental e Ocidental, à medida que o aquecimento global se estende para o sul”.

O aquecimento na Península Antártica levou, em 2002, ao dramático colapso de Larsen B, uma plataforma de gelo ao norte de Larsen C. Sem precedentes em seu tamanho, quase toda a plataforma de gelo se rompeu em pouco mais de duas semanas após ficar estável por último 10.000 anos.

“A Larsen C é a grande plataforma de gelo que fica mais ao norte, sujeita às temperaturas mais quentes e a mais provável candidata a um futuro colapso. George VI está mais para o oeste e para o sul, em um clima um pouco mais frio, mas ainda está vulnerável a uma atmosfera quente e marítima ”, diz o principal autor Clemens Schannwell, que conduziu o trabalho na Universidade de Birmingham e na British Antarctic Survey.

No verão passado, um iceberg duas vezes maior que o Luxemburgo rompeu com Larsen C. Mas, apesar da recente atenção dada a essa plataforma de gelo, a equipe descobriu que seu futuro colapso teria um efeito modesto no nível global do mar. Usando modelos computacionais para simular as interações entre a camada de gelo da Península Antártica e as plataformas de gelo, a equipe descobriu que a resposta da geleira ao colapso de Larsen C somaria 2,5 mm ao nível do mar em 2100 e 4,2 mm em 2300.

“A vulnerabilidade de mudar na plataforma de gelo George VI e as possíveis implicações do nível do mar dessas mudanças são muito maiores”, diz Schannwell. Embalada entre a Península Antártica e a Ilha Alexandre, a plataforma de gelo George VI tem, em 24.000 quilômetros quadrados, cerca de metade do tamanho de Larsen C. Mas contribuiria muito mais para o aumento do nível do mar porque é alimentado por geleiras maiores e é muito eficaz em segurar o gelo que drena a partir dessas geleiras. De acordo com as simulações apresentadas no novo estudo The Cryosphere , o ajuste das geleiras que fluem para o mesmo após um colapso pode contribuir com até 8 mm para o nível global do mar em 2100 e 22 mm em 2300.

“Antes do nosso trabalho, não sabíamos o que aconteceria com o gelo a montante na Península Antártica se estas estantes fossem perdidas. Isso pode ter implicações importantes para o meio ambiente local e para os níveis globais do mar, informações essenciais para o planejamento e a política de mitigação da mudança climática ”, diz Schannwell, que atualmente está na Universidade de Tübingen, na Alemanha.

“À luz das temperaturas crescentes projetadas para o próximo século, a Península Antártica oferece um laboratório ideal para pesquisar mudanças na integridade das plataformas de gelo flutuantes. Esta região pode nos informar sobre os processos das plataformas de gelo e nos permite observar a resposta do gelo interno às mudanças na plataforma de gelo. Devemos ver essas mudanças dramáticas na Península Antártica como um sinal de alerta para os sistemas muito maiores de plataformas de gelo-gelo em outros lugares na Antártica, com potencial ainda maior para o aumento do nível do mar global ”, conclui Barrand.
 

    Referência:

    Schannwell, C., Cornford, S., Pollard, D., and Barrand, N. E.: Dynamic response of Antarctic Peninsula Ice Sheet to potential collapse of Larsen C and George VI ice shelves, The Cryosphere, 12, 2307-2326, https://doi.org/10.5194/tc-12-2307-2018, 2018


* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/07/2018

Duração: 1 minuto e 3 segundos | Visualizações: 1.085

Mais Sobre Amazônias

Oficina apresenta manejo agroecológico de gado para ribeirinhos de reserva da Amazônia

Oficina apresenta manejo agroecológico de gado para ribeirinhos de reserva da Amazônia

Todo ano a história se repete para quem cria gado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, no Amazonas. Na época seca, quando o nível dos rios

Três curiosidades sobre a reprodução de peixes   na Amazônia

Três curiosidades sobre a reprodução de peixes na Amazônia

O manejo do pirarucu (Arapaima gigas), realizado em diferentes partes da Amazônia, é símbolo de um modelo de conservação onde os recursos naturais pod

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

houve registro inédito do gavião-preto como predador de ovos do jacaré-açu

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Entre os kambeba da terra indígena do Jaquiri, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas, 47 das 49 pessoas que residem na peque