Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

No tecido da intriga, A-perãi


No tecido da intriga, A-perãi  - Gente de Opinião

MONTEZUMA CRUZ

A-perãi na língua Suruí quer dizer: está mentindo. É justamente isso que nos chama atenção neste ano eleitoral. Portanto, olhe bem nos olhos do seu candidato e confira a sua lealdade, na TV ou pessoalmente.


Desconfie a cada minuto do zap, mais carregado de ódio, hipocrisia, preconceito e mentiras do que toda a extensão do inferno.

Desconfie daquele seu amigo interesseiro que sopra assim: “compartilhe agora, compartilhe já”.

A antropóloga Betty Mindlin, que aprendeu muito com os Suruís, no Posto Indígena 7 de Setembro, entre 1976 e 1978, durante o início do desenvolvimento do futuro Estado, estudou a sensibilidade desse povo.

Ela trabalhou em Rondônia numa fase em que o novo estado engoliu assustadoramente migração desenfreada, invasões, ameaças físicas e o assédio de empresas.

Sensível, Betty viu a perda do erotismo da mulher, diante dos cuidados diários com a criação dos filhos. Ela escreveu: “Sob o peso da maternidade, as ninfas Suruí se domesticam Ou serão os nossos olhos, vendo gordas Natashas na velhice de Guerra e Paz?

A alegria solta e malandra, os movimentos brincalhões, as fugas e namoros nas Linhas, canalizados para seriedade maior, para os cuidados e temores com as crianças.

O corpo acompanha, arredonda-se, os seios caem, raras são as mulheres de mais de 20 anos com muita graça erótica. A sombra da doença e a labuta diária com as crianças, na aparência, predominam sobre as folias amorosas ou de jogo que, no entanto, continuam a viver.

As mulheres com filhos pequenos, ainda mais que as outras, passam o tempo num universo feminino. Cinco ou seis mulheres com crianças numa casinha de reclusão, em mexericos e conversas sem fim, quase sempre sobre namoros e casamentos.

Costumamos esquecer que para viver na tribo é preciso sempre apoiar-se no grupo familiar, alimentar relações cotidianas fortes, proteção contra as rivalidades e intrigas.
Afetuosos e expansivos como são os Suruís, há sempre um tom de vida de corte: mexericos, sussurros, conjuntos de inimizades recíprocas. Pessoas que caem em desgraça, casamentos que se desfazem, pondo uma distância intransponível, apesar dos poucos metros de uma casa a outra, entre uma mulher e as outras com quem antes tinha convívio íntimo, antigos companheiros de casa e roça que de repente mal têm oportunidade de se ver e se falar, semi hostis.

As mulheres são veículos importantes do tecido de intrigas, embora os homens, tanto como elas, alimentem e criem. Mexericos femininos são, no mais das vezes, uma esfera própria arquitetada sem homens.

O jogo de alianças, porém, é um todo composto de homens e mulheres. O mexerico vai resolvendo as brigas e hostilidades, há uma contínua reafirmação dos laços de lealdade por meio da acusação aos outros. Não à-toa, uma das palavras que os Suruís mais usam é a-perãi: está mentindo. Acordos e desacordos cimentam a comunidade”.

Mais Sobre Amazônias

A soberania

A soberania

O mundo apenas quer que não derrubem a floresta da Amazônia em 2019, mas não se interessa pela soberania do Brasil.

No Amazonas, Instituto Mamirauá realiza 1º Oficina de Certificação Orgânica

No Amazonas, Instituto Mamirauá realiza 1º Oficina de Certificação Orgânica

O mercado de alimentos orgânicos tem ganhado cada vez mais espaço e valorização a medida que são comprovados os malefícios à saúde humana e ao meio

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

“O gado não é o grande vilão, a forma que é feita essa produção que pode ser maléfica ou não”, explica a engenheira agrônoma Jerusa Cariaga. Isso po

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

O programa Ambiente É o Meio desta quarta-feira conversa com o engenheiro, pesquisador e coordenador do Programa Amazônia, do Instituto Nacional de Pe