Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Meio Ambiente incorporado à Agricultura não deu certo antes, mas Bolsonaro insiste na proposta


Meio Ambiente incorporado à Agricultura não deu certo antes, mas Bolsonaro insiste na proposta - Gente de Opinião

MAURÍCIO TUFFANI
Editor do blog Direto da Ciência

Antes de mais nada, vamos dar o nome certo ao que o presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu fazer com os ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura. Não será uma fusão ou união, ou qualquer coisa que coloque as duas áreas em pé de igualdade. Na verdade, será uma incorporação do primeiro ao segundo. A ideia, desde que o então candidato pelo PSL a apresentou pela primeira vez em seu canal no YouTube em 14 de março, foi sufocar o MMA e seus órgãos de fiscalização ambiental.


Um dos aspectos mais lamentáveis dessa decisão do presidente eleito é que ela é um erro que nem mesmo o regime militar – que ele tanto defende – cometeu. Em outubro de 1973, em pleno governo do presidente Emílio Garrastazu Médici, foi criada a Secretaria Especial do Meio Ambiente (Sema) no âmbito do Ministério do Interior.

Isso ocorreu mais de um ano após a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, em Estocolmo, na Suécia, em 1972. O governo brasileiro tentava ainda desfazer sua imagem negativa por ter assumido posições contrárias à proteção do meio ambiente naquele evento. Para comandar a Sema foi convidado Paulo Nogueira-Neto, professor de ecologia da USP, que permaneceu no cargo também nos governos de Ernesto Geisel (1974-1979), João Batista Figueiredo (1979-1985) e de José Sarney em seu segundo ano.

Nesses 12 anos, o trabalho da Sema foi decisivo para a criação não só de 26 reservas, estações ecológicas e outras unidades de conservação, totalizando 3,2 milhões de hectares de áreas protegidas, mas também da lei da Política Nacional do Meio Ambiente em 1981. Por sua atuação à frente da Sema, Paulo Nogueira Neto foi convidado pelas Nações Unidas para integrar a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento, que formulou conceito de desenvolvimento sustentável. Assumido pela Assembleia Geral da ONU em 1987, esse conceito tem fundamentado leis, políticas públicas e projetos que extrapolam o âmbito da conservação ambiental em quase todo o mundo.

INTERESSES RETRÓGRADOS

Outro aspecto deplorável dessa decisão de Bolsonaro é o fato de ela atender a interesses dos setores mais retrógrados do agronegócio. É o caso de entidades como a Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), que poucos dias antes do primeiro turno das eleições levou para o então candidato a vice, general Hamilton Mourão, uma pauta de reivindicações.

No cardápio, itens no estilo “liberou geral”, como “liberar do licenciamento de atividade as propriedades rurais” e “as demais licenças devem ser concedidas de forma digital automática e online, bastando declaração do proprietário rural”.

Esses setores retrógrados – e não todo o agro, é importante deixar isso claro –, estão na contramão da produção rural brasileira certificada com base em práticas socioambientalmente corretas e que vem se tornando cada vez mais competitiva no mercado exterior. Uma boa mostra dessa diferença de perspectivas dentro do agronegócio é mostrada hoje pelo jornalista Mauro Zafalon em sua reportagem “Fusão de Agricultura e Meio Ambiente divide ruralistas”, na Folha de S. Paulo.

Referindo-se também essa reportagem, a edição de hoje do Boletim ClimaInfo comenta:

(…) os mercados internacionais estão querendo cada vez mais distância do desmatamento e de condições degradantes de trabalho. O jornalista Mauro Zafalon, da Folha, chama atenção para a importância da diplomacia comercial para a manutenção das portas abertas. A isso se dá o nome de processo civilizatório.

RETROCESSO NO LICENCIAMENTO

Meio Ambiente incorporado à Agricultura não deu certo antes, mas Bolsonaro insiste na proposta - Gente de Opinião

Por trás da ideia de sufocar o MMA não está apenas a enganosa ladainha de Bolsonaro e seus aliados ruralistas sobre a “indústria de multas” ambientais, cuja existência foi devidamente desmentida por técnicos do Ibama e do ICMBio. Está também o desejo de enfraquecer a legislação do licenciamento ambiental, também destacado hoje na Folha pela reportagem “Bancada ruralista quer aprovar novo licenciamento ambiental neste ano”, de Angela Boldrini.

O licenciamento ambiental é um avanço iniciado no Brasil desde a citada Política Nacional do Meio Ambiente de 1981, reiterada pela Constituição Federal de 1988. Sua manutenção depende da compreensão de que produção e conservação são áreas que devem ter estruturas administrativas distintas e independentes uma da outra.

Sem essa separação e independência entre Meio Ambiente e Agricultura, será impossível evitar o prejuízo para o que era assegurado pelo artigo 225 da Constituição, transcrito a seguir.

Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

Mais Sobre Amazônias

A soberania

A soberania

O mundo apenas quer que não derrubem a floresta da Amazônia em 2019, mas não se interessa pela soberania do Brasil.

No Amazonas, Instituto Mamirauá realiza 1º Oficina de Certificação Orgânica

No Amazonas, Instituto Mamirauá realiza 1º Oficina de Certificação Orgânica

O mercado de alimentos orgânicos tem ganhado cada vez mais espaço e valorização a medida que são comprovados os malefícios à saúde humana e ao meio

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

“O gado não é o grande vilão, a forma que é feita essa produção que pode ser maléfica ou não”, explica a engenheira agrônoma Jerusa Cariaga. Isso po

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

O programa Ambiente É o Meio desta quarta-feira conversa com o engenheiro, pesquisador e coordenador do Programa Amazônia, do Instituto Nacional de Pe