Porto Velho (RO) sexta-feira, 27 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

‘Matar um índio para pegar uma índia’


 ‘Matar um índio para pegar uma índia’ - Gente de Opinião
Agostinho Tenharin: "É a segunda vez que está acontecendo algo desse tipo.
O momento é muito crítico. Temo pelos netos, pelos parentes. Achei que nunca mais ia acontecer” /PÚBLICA

 

AGÊNCIA PÚBLICA
Reproduzida pelo site Amazônia.Org

A história do conflito em Humaitá é também a história da BR-230, a Rodovia Transamazônica. A rodovia rasgou a cidade – e também o território ocupado pelos indígenas. Com 4.223 quilômetros, ela foi inaugurada em 1972 pelo ditador Emílio Garrastazu Médici. Agora os Tenharim querem contar com detalhes essa história, como disseram à reportagem da Pública, recebida por eles no dia 3 de janeiro.
 

Em Humaitá, os brancos também conhecem o enredo, mas preferem falar em off sobre a violência cometida naquele tempo. “Quem veio para cá foram homens”, conta um dos entrevistados. “Aí quem queria pegar uma mulher tinha de matar um índio e pegar uma índia”.
 

Em sua língua, Augustinho Tenharim conta mais do que isso, traduzido pelos irmãos Zelito e Aurélio Tenharim: “Houve matança. De 10 mil Tenharim sobraram pouco mais de 200. Alguns trabalharam como escravos, para ajudar a construir a estrada. O pagamento era em alimentos. Os servidores levavam as índias e devolviam após 15 dias, 20 dias, um mês.
 

O relatório da CPI da Ocupação das Terras Públicas na Amazônia, em 2001, conhecida como CPI da Grilagem, informou que, de 157 milhões de hectares do território do Estado, 55 milhões estavam sendo grilados. Os cartórios de Humaitá, Manicoré e Canutama foram identificados como “contumazes na prática de ilícitos registrais”. Em Manicoré foram cancelados 682 mil hectares, ou 12% da área. Em Canutama, vizinha de Porto Velho, por onde se chega de carro a Humaitá, foram cancelados 8,8 milhões de hectares, ou 368% da área do município. É que as grilagens formam um território paralelo, virtual, onde as terras se sobrepõem umas às outras.

Leia reportagem completa

Mais Sobre Amazônias

Resíduos serão retirados do rio Guaporé no início de dezembro; objetivo é descontaminar águas do rio fronteiriço

Resíduos serão retirados do rio Guaporé no início de dezembro; objetivo é descontaminar águas do rio fronteiriço

Uma ação ambiental para retirada de lixos jogados no rio Guaporé está confirmada para acontecer entre os dias 2 a 6 de dezembro, por meio de atuação d

Pirarucu, ‘’o monstro do rio’’, no Vale do Guaporé

Pirarucu, ‘’o monstro do rio’’, no Vale do Guaporé

O maior peixe de água doce do mundo, o Pirarucu, muito apreciado pela culinária da região Norte e agora sendo consumido no  Brasil e no exterior, sen