Porto Velho (RO) quinta-feira, 12 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta pode ser extinto nos próximos 40 anos, mostra pesquisa

Endêmico da Reserva Mamirauá, primata é ameaçado por mudanças climáticas


Primata tem a menor distribuição geográfica das Américas (Foto: Júlia de Freitas) - Gente de Opinião
Primata tem a menor distribuição geográfica das Américas (Foto: Júlia de Freitas)

Pequeno e ágil, o amazônico macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii) corre o risco de ser extinto nas próximas décadas. Isso porque as mudanças climáticas devem trazer transformações irreversíveis ao habitat do primata com a menor distribuição geográfica das Américas.  

As previsões são dos pesquisadores Rafael Rabelo, do Instituto Nacional de Pesquisas Amazônicas (Inpa) e Fernanda Paim, líder do Grupo de Pesquisa em Biologia e Conservação de Primatas do Instituto Mamirauá, organização social fomentada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).  

Efeitos de mudanças climáticas  
O aumento na temperatura média e dos períodos de seca, a diminuição da precipitação e as mudanças na dinâmica de vazão e inundação dos rios são algumas das consequências de mudanças climáticas na região da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, área de florestas de várzea na Amazônia onde está localizado o habitat do primata, restrito a apenas 870 km².  

“Para sobreviver, a espécie terá de enfrentar drásticas mudanças nas condições climáticas com as quais está acostumada”, explica Rabelo. 


Os pesquisadores realizaram projeções para os anos de 2050 e 2070 de acordo com dois cenários de emissão de gases-estufa na atmosfera reconhecidos pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas.  

Os resultados preveem uma drástica perda de adequabilidade climática para a espécie em sua atual área de distribuição.  Com isso, o primata possui grandes chances de enfrentar a extinção nas próximas décadas.  

A pesquisa também indicou que áreas onde hoje o primata não ocorre se tornarão adequadas à sobrevivência da espécie. “As pesquisas mostram que, no futuro, poderá haver um deslocamento no território adequado para a espécie para uma região longe de onde ela ocorre atualmente”, revela o pesquisador.   

Ou seja, para que o macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta não seja extinto, ele terá que se adaptar às bruscas mudanças em seu habitat ou migrar para outras áreas.  

O estudo “Impacto das mudanças climáticas em uma espécie de primata ameaçada de extinção (Saimiri vanzolinii)” tem como objetivo basear discussões sobre potenciais estratégias de conservação, de forma a mitigar os impactos das mudanças climáticas para a espécie e garantir a sobrevivência do primata sob risco.  

Mais Sobre Amazônias

Pesquisa mostra alta quantidade de resíduos sólidos em região da Amazônia

Pesquisa mostra alta quantidade de resíduos sólidos em região da Amazônia

Uma garrafa peruana de Coca-Cola da edição especial de natal de 2016 no Peru foi encontrada em 2019 em região de floresta da região do Médio Solimõe

Para entender efeitos de mudanças climáticas, cientistas criam projeto que valoriza conhecimentos tradicionais e indígenas

Para entender efeitos de mudanças climáticas, cientistas criam projeto que valoriza conhecimentos tradicionais e indígenas

Para populações tradicionais e indígenas, as mudanças climáticas são mais do que estampa em capa de jornal com dados alarmistas. É realidade palpáve

Projeto financiado pela Confiancelog para a Iniciativa Verde na Amazônia passa ileso por incêndios e desmatamento

Projeto financiado pela Confiancelog para a Iniciativa Verde na Amazônia passa ileso por incêndios e desmatamento

A Confiancelog participa do financiamento do Carbon Free Amazônia, projeto da Iniciativa Verde que promove a compensação de carbono por meio da restau

Na Amazônia, jovem ribeirinha de 19 anos desenvolve projeto para melhorar venda de polpas de frutas de sua comunidade

Na Amazônia, jovem ribeirinha de 19 anos desenvolve projeto para melhorar venda de polpas de frutas de sua comunidade

Açaí e cupuaçu viraram matéria prima de sofisticados cosméticos e caros produtos alimentícios no exterior. Antes de 2017, entretanto, essas e outras