Porto Velho (RO) terça-feira, 25 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Ibama e ICMBio já sofrem ataques ao conter desmatamento em Rondônia e no Pará


Ibama e ICMBio já sofrem ataques ao conter desmatamento em Rondônia e no Pará - Gente de Opinião

FABIANO MAISONNAVE
Folha de S. Paulo


Alvo de duras críticas do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o Ibama e o ICMBio sofreram ataques na Amazônia durante operações de combate ao desmatamento ilegal. O atentado contra o Ibama aconteceu às 22h do sábado (20), em Buritis, a 338 km de Porto Velho. Usando um galão de gasolina, um homem ateou fogo em três das dez viaturas do órgão estacionadas em frente a um hotel.

O fogo foi controlado por policiais, evitando que se espalhasse às demais viaturas. Um suspeito do ataque foi preso e autuado por dano ao patrimônio público.

Durante a confusão, um grupo de pessoas se aglomerou diante do hotel. Algumas delas passaram a incentivar a queima de outras viaturas e chegaram a romper o cordão de isolamento. A polícia conseguiu conter um segundo ataque e prendeu um dos incentivadores, de acordo com o boletim de ocorrência.

A pedido do Ibama, uma unidade de elite da PM de Rondônia foi deslocada até Buritis. O órgão ambiental também solicitou reforço da Força Nacional. A equipe do Ibama está em Buritis para uma operação de combate ao desmatamento, como parte do Plano Nacional Anual de Proteção Ambiental (Pnapa).

É a primeira vez neste ano que o Ibama tem viaturas incendiadas. Em julho do ano passado, um ataque queimou oito caminhonetes no sudoeste do Pará. Os veículos estavam sendo transportados em um caminhão-cegonheira.

No caso do ICMBio, o incidente ocorreu na sexta-feira (19) à tarde, no município de Trairão (PA), situado na BR-163 e a 1.395 quilômetros a sudoeste de Belém. Trata-se do primeiro ataque ao órgão ambiental neste ano em todo o país.

De acordo com o relato oficial, uma equipe estava na Floresta Nacional (Flona) Itaituba 2 para verificar um desmatamento detectado por satélite e combater o roubo de madeira.

Enquanto isso, foi queimada uma pequena ponte na única estrada de acesso. Áudios obtidos pelo ICMBio mostram que a ação foi orquestrada por moradores de Bela Vista do Caracol, distrito de Trairão, cuja economia depende de madeira ilegal e extração de palmito.

Quando a equipe estava parada na ponte queimada, um grupo de moradores se concentrou numa segunda ponte, a algumas centenas de metros. Agentes do ICMBio relataram ter ouvido tiros.

Acionada, a Polícia Militar conseguiu desmobilizar os moradores. Depois que os agentes do ICMBio improvisaram uma segunda ponte, os policiais escoltaram a equipe até a cidade de Itaituba.

Esses episódios ocorrem em meio a reiteradas críticas de Bolsonaro contra o Ibama e o ICMBio. Em pronunciamento logo após o primeiro turno, ele prometeu acabar com a “indústria de multas” dos órgãos ambientais.

“Vamos botar um ponto final em todos os ativismos do Brasil. Vamos tirar o Estado do cangote de quem produz”, prometeu, em referência aos órgãos ambientais.

A animosidade de Bolsonaro tem origem numa multa de R$ 10 mil que recebeu do Ibama após ser flagrado pescando dentro de uma unidade de conservação, em Angra dos Reis (RJ). Em retaliação, o deputado federal apresentou, em 2013, um projeto de lei que proibia agentes ambientais de portarem arma. Bolsonaro depois retirou a proposta, mas nunca pagou a multa.

Para agentes do Ibama e do ICMBio, as declarações de Bolsonaro alimentam a hostilidade contra os órgãos na Amazônia, onde já enfrentam dificuldades para atuar. No ano passado, por exemplo, os escritórios de ambos órgãos foram incendiados por garimpeiros ilegais em Humaitá (AM).

O capitão da reserva do Exército recebeu votação acima da média nacional (46%) nas regiões dos ataques. No Trairão, o candidato do PSL obteve 51,9% dos votos válidos. Em Buritis, o percentual chegou a 69,9%.

Ibama e ICMBio já sofrem ataques ao conter desmatamento em Rondônia e no Pará - Gente de Opinião

Mais Sobre Amazônias

Pesquisa investiga como acontecem emissões de metano em florestas alagáveis da Amazônia

Pesquisa investiga como acontecem emissões de metano em florestas alagáveis da Amazônia

As águas sobem, espalham-se e invadem florestas. Folhas, frutos e galhos, agora submersos, ficam sob o solo ou são transportados pelas águas. É tempo

Cientistas estimam população de botos na bacia do rio Amazonas

Cientistas estimam população de botos na bacia do rio Amazonas

Uma expedição científica reuniu organizações internacionais para realizar registros de avistagem de botos ao longo do rio Amazonas-Solimões. O objetiv

Arqueólogos descobrem conjunto de ilhas artificiais pré-coloniais na Amazônia

Arqueólogos descobrem conjunto de ilhas artificiais pré-coloniais na Amazônia

‘É construção de índio’, explicaram os ribeirinhos sobre o lugar onde moram: as cerca de 20 ilhas artificiais recentemente descobertas por arqueólogos

Pirarucu de manejo tem preço mínimo estabelecido em R$7,83/kg

Pirarucu de manejo tem preço mínimo estabelecido em R$7,83/kg

Reivindicação dos pescadores, o preço mínimo do pirarucu de manejo é realidade após a inclusão do produto na lista que integra a Política de Garanti