Porto Velho (RO) terça-feira, 16 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Guajará-Mirim esconde potencial da fiscalização


 

Guajará-Mirim esconde potencial da fiscalização  - Gente de Opinião

Mercados e outros estabelecimentos de Guajará-Mirim
 deve ser fiscalizados na Semana Santa / M.CRUZ



XICO NERY
Amazônias

 
GUAJARÁ-MIRIM, Rondônia — Depois da operação conjunta de bons resultados feita em 2009 pela Secretaria Municipal de Saúde e pela Polícia Federal não se tem notícia de ações semelhantes no âmbito municipal. Principalmente, de equipes de fiscalização da Vigilância Sanitária que, por força da legislação federal, devem percorrer, periodicamente, a rede de supermercados, bares, lanchonetes, mercearias, armazéns, feiras-livres e mercados municipais que vendem alimentos. 

Nesta época do ano, dentro do período da Quaresma, logo o término do carnaval, é comum em outras cidades brasileiras a Vigilância Sanitária municipal promover blitzes no comércio formal e informal. Geralmente, a tradicional "Operação Semana Santa" sai às ruas para verificar a qualidade dos produtos consumidos no período. 

Dos alimentos que constam na "lista suja" do consumidor estão ovos, frangos congelados, peixes, bacalhau, carnes (resfriadas) e enlatados. 

— Esses produtos sempre alvo da fiscalização — esclarece um fiscal da Vigilância Sanitária Municipal que pede para não ser identificado. 

Segundo ele, tanto na vizinha Nova Mamoré como em Guajará-Mirim, o quadro de servidores é deficitário e não há secretário de saúde que faça cumprir à risca a legislação pertinente. Há anos o quadro não tem aumento de servidores, ele conta. 

“Embaraço” 

A mesma fonte citou o "embaraço" que é, no caso da Vigilância Sanitária Municipal, botar a fiscalização nas ruas e agir com rigor. Há anos, também, esse órgão da Secretaria de Saúde, pelo menos, na Semana Santa e nas festas natalinas, não dispõe de pessoal de apoio técnico capaz de manter o cumprimento da legislação estabelecida no segmento de produção, consumo e comercialização de alimentos. 

Isso não ocorre com o setor farmacêutico. Depois de percorrer os quatro cantos da cidade, um repórter da Rádio Educadora constatou que supermercadistas e comerciantes “até que aguardam a visita das equipes de Fiscalização Sanitária. 

Até a semana passada, a secretária Denise Marques não havia deflagrado a tradicional "Operação Semana Santa" cuja ação deve contar com veterinário, biólogo e nutricionista treinados pelos órgãos municipais e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, pelo Serviço de Inspeção Federal da Delegacia Federal de Agricultura.

Mais Sobre Amazônias

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

houve registro inédito do gavião-preto como predador de ovos do jacaré-açu

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Entre os kambeba da terra indígena do Jaquiri, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas, 47 das 49 pessoas que residem na peque

Websérie conta histórias de cientistas de todo o Brasil e de ribeirinhos que se uniram para conservar a Amazônia

Websérie conta histórias de cientistas de todo o Brasil e de ribeirinhos que se uniram para conservar a Amazônia

Há mais de 20 anos, cientistas começaram a desembarcar na cidade de Tefé, no estado do Amazonas, e se unir a ribeirinhos na região do Médio Solimões,

Desmatamento: Espécie de macaco da Amazônia pode perder até 59% de habitat nos próximos 40 anos, aponta estudo

Desmatamento: Espécie de macaco da Amazônia pode perder até 59% de habitat nos próximos 40 anos, aponta estudo

De cabeça arredondada e pelagem escura, o macaco-barrigudo (Lagothrix cana), um dos maiores primatas da Amazônia, corre o risco de perder cerca de 59%