Porto Velho (RO) terça-feira, 23 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Família de Wilson Pinheiro entrará no STJ para exigir R$ 4 milhões da Warner Bros


  

Família de Wilson Pinheiro entrará no STJ para exigir R$ 4 milhões da Warner Bros  - Gente de Opinião

Wilson Pinheiro, líder sindical no Acre: imagem deturpada no filme /ÁLBUM DE FAMÍLIA


Bancada parlamentar do Acre apóia pleito de parentes do sindicalista morto em 1980. Agora, eles apelarão a Al Gore, ex-vice-presidente dos EUA 


MONTEZUMA CRUZ
Amazônias
 

BRASÍLIA – A família do Wilson Pinheiro recebeu nesta quarta-feira o apoio da bancada federal acreana para cobrar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) indenização no valor de R$ 4 milhões à empresa cinematográfica Warner Bros, pelo uso de imagem e da história daquele dirigente sindical no filme “Amazônia em chamas” (1994). Pinheiro foi morto a tiros em 21 de julho de 1980. 

Após a exibição de um documentário do cineasta Marcos Vicente, mostrando o surgimento do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasiléia, o coordenador da bancada, deputado Fernando Melo (PT-AC), propôs e foi aceito o envio uma carta de solidariedade à família e a distribuição de cópias “a quem possa interessar”. 

Após protestar contra o assassinato de Pinheiro, um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores no Acre, o então sindicalista e futuro presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva foi enquadrado pelo regime militar na extinta Lei de Segurança Nacional. 

— Se 88% da floresta do Acre estão em pé, isso se deve à luta de homens corajosos que souberam resistir ao desmatamento — afirmou Melo. Entre os anos 1970 e 1980, o Acre perdeu parte dos antigos seringais para a atividade pecuária. Pinheiro e, depois Chico Mendes, lideraram “empates” contra os fazendeiros. 

A ação indenizatória dará entrada no STJ no próximo dia dois de abril. A bancada convidará entidades sindicais e movimentos sociais para acompanhar representantes da família Pinheiro durante esse ato. 

Al Gore, o próximo passo 

Família de Wilson Pinheiro entrará no STJ para exigir R$ 4 milhões da Warner Bros  - Gente de Opinião

Terezinha Pinheiro (mão no rosto) e filhos não foram consultados, nem indenizados, o que ocorreu com a viúva de Chico Mendes, IlzamarPinheiro / MONTEZUMA CRUZ


— Vim aqui para denunciar ao Brasil e ao mundo que a Warner Bros enganou seringueiros no Acre — disse o ativista Abrahim Farhat Neto, o Lhê, que participou da reunião. Ele ampliará essa denúncia no próximo dia 26, em Manaus (AM), quando pretende manifestar a insatisfação da família Pinheiro ao ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore. 

Nesse dia, a capital do Amazonas receberá trezentos empresários e executivos brasileiros integrantes do Grupo de Líderes Empresariais que participarão do 1º Fórum Internacional de Sustentabilidade. 

Em 2005, a juíza Olívia Ribeiro condenou a Warner Bros a pagar R$ 160 mil à família. A quantia desagradou a família e a empresa logo contestou a decisão, por meio de advogados de São Paulo. E nada pagou. O caso quase foi esquecido, não fosse a ex-vereadora Hiamar Pinheiro, filha do sindicalista, ter novamente recorrido. Coube ao advogado Paulo Dinelli, de Manaus, propor a ação ao STJ.

Filme mostra violência na Amazônia 

Família de Wilson Pinheiro entrará no STJ para exigir R$ 4 milhões da Warner Bros  - Gente de Opinião

Bancada federal acreana reúne-se para se solidarizar com a família do fundador do PT no Acre, que acionará no STJ a Warner Bros /MONTEZUMA CRUZ

BRASÍLIA — Até hoje “Amazônia em chamas” está nas locadoras de vídeos do Brasil e do mundo. Não há informações sobre o quanto a Warner Bros lucrou com ele. Rodado no México, o filme ensaiou uma biografia do líder ecologista Chico Mendes, na defesa dos direitos humanos na Amazônia. 

Estrelado pelo porto-riquenho Raul Julia — que morreu poucos meses depois de seu lançamento — e pela brasileira Sônia Braga, “Amazônia em chamas” surpreendeu o público brasileiro por falhas técnicas e de conteúdo. Uma delas: o sindicalista Wilson Pinheiro, que era negro e alto, foi interpretado por um branco e cabeludo.

Pinheiro teve tanta importância quanto Mendes, cuja família fora consultada e indenizada pela empresa norte-americana. Oito herdeiros de Pinheiro nem sequer foram reconhecidos ou consultados. O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasiléia do qual ele foi o segundo presidente, surgiu com 890 sócios-fundadores e alcançou 4 mil na época dos “empates”. Foi o maior fenômeno de organização popular amazônica.

Dirigido por John Frankenheimer (de ‘’Ronin’’) e produzido pela HBO (canal de TV americano), “Amazônia em chamas” mostra as más condições de trabalho dos seringueiros, a derrubada da floresta e os “empates” feitos por seringueiros e posseiros contra a ação dos jagunços de fazendeiros da região sul brasileira. (M.C.) 

Família de Wilson Pinheiro entrará no STJ para exigir R$ 4 milhões da Warner Bros  - Gente de Opinião

Ativista Abrahim Farhat Neto, da Confraria das Revoluções Acreanas, defendeu a família Pinheiro e agora irá a Manaus, para se encontrar com o ex-vice-presidente americano Al Gore, a fim de sensibilizá-lo pela causa /MONTEZUMA CRUZ





Gente de Opinião
Clique neste twitter para seguir Montezuma 

 

Mais Sobre Amazônias

Oficina apresenta manejo agroecológico de gado para ribeirinhos de reserva da Amazônia

Oficina apresenta manejo agroecológico de gado para ribeirinhos de reserva da Amazônia

Todo ano a história se repete para quem cria gado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, no Amazonas. Na época seca, quando o nível dos rios

Três curiosidades sobre a reprodução de peixes   na Amazônia

Três curiosidades sobre a reprodução de peixes na Amazônia

O manejo do pirarucu (Arapaima gigas), realizado em diferentes partes da Amazônia, é símbolo de um modelo de conservação onde os recursos naturais pod

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

houve registro inédito do gavião-preto como predador de ovos do jacaré-açu

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Entre os kambeba da terra indígena do Jaquiri, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas, 47 das 49 pessoas que residem na peque