Porto Velho (RO) quinta-feira, 19 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Estudantes recolhem lixo no Rio Juruá


Estudantes recolhem lixo no Rio Juruá - Gente de Opinião

Lixo de todos os tipos se acumula na beira do rio Juruá, mobilizando estudantes para conscientização de ribeirinhos /MONTEZUMA CRUZ

 

AGÊNCIA ACRE
 

CRUZEIRO DO SUL (AC) -Estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Escola Estadual Madre Adelgundes Becker, no Bairro Miritizal, à margem direita do rio Juruá, em Cruzeiro do Sul, passaram duas semanas em atividades de conscientização conversando com ribeirinhos, catraieiros e outros que trabalham ou transitam pela imensa praia que se forma no verão.

Eles distribuíram adesivos com a frase: “Seja consciente, não jogue lixo no rio”. Os alunos se dispuseram também, a recolher o lixo acumulado na praia e se espantaram com a quantidade recolhida.

Somente em um dia recolheram mais de 50 sacos de lixo com diversos itens, entre os quais, pedaços de isopor, vários tipos de metais, pedaços de madeira e sacos plásticos.

Estudantes recolhem lixo no Rio Juruá - Gente de Opinião

Cinqüenta sacos plásticos cheios de lixo em apenas um dia. Despoluição só acontece com boa vontade de quem mora ou usa a margem do rio /AGÊNCIA ACRE

 
 


 

Um rio agredido

Um dos coordenadores, o professor Evanilson Almeida, diz que a ação é parte da execução de um projeto idealizado pela professora Fernanda Márcia Almeida. Por ser aluna do curso de Biologia da Universidade Federal do Acre, Campus Floresta, ela buscou a parceria da universidade, especialmente do curso de Biologia.

O projeto encerrou suas atividades no final da semana, ocasião em que a professora Valquíria Garrote, do curso de Biologia, proferiu uma palestra.

O professor explica que a Escola decidiu adotar o projeto devido à carência que as pessoas da região têm com relação à coleta de lixo e escolheu a beira do rio porque o rio Juruá vem sofrendo grandes danos em suas margens e no seu leito.

– É surpreendente o volume de danos que o rio vem sofrendo por conta da ação humana – constata.


 
 

Estudantes recolhem lixo no Rio Juruá - Gente de Opinião
Urubus estão presentes no cotidiano da população ribeirinha de Cruzeiro do Sul (AC) /MONTEZUMA CRUZ

 

Todo cuidado é pouco

A irregular descarga de lixo a céu aberto, sem as necessárias medidas de proteção, causam um grande desconforto e inúmeros malefícios à saúde dos moradores do seu entorno, acarretando, sem dúvida alguma, diminuição da qualidade de vida gerada pelo mau cheiro e pela proliferação de insetos. Afora isso, os “lixões” urbanos a céu aberto constituem-se um sério problema em relação ao meio ambiente e à saúde.


Algumas substâncias descartadas no meio ambiente podem causar danos irreversíveis, como por exemplo, o mercúrio das pilhas encontradas no lixo doméstico. Esta substância representa um dos mais sérios e graves problemas de contaminação do homem e do meio ambiente.

Quando depositadas em “lixões”, o mercúrio contamina a terra e a água (lixiviação para o lençol freático), entrando com facilidade na cadeia alimentar, o que representa um perigo potencial para o homem, já que ele se alimenta dos peixes ou aves das áreas vizinhas aos lixões.

Além disso, a ação tóxica do mercúrio afeta o sistema nervoso central, provocando lesões no córtex e na capa granular do cérebro. São observadas alterações em órgãos do sistema cardiovascular, urogenital e endócrino. Em casos de intoxicações severas, os danos são irreparáveis.

 

LEIA TAMBÉM

Muito lixo no rio em Pimenta Bueno

Mais Sobre Amazônias

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

O programa Ambiente É o Meio desta quarta-feira conversa com o engenheiro, pesquisador e coordenador do Programa Amazônia, do Instituto Nacional de Pe

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Realizar partos é um conhecimento milenar transmitido de geração em geração pelos povos amazônicos. Com o objetivo de identificar os usos e espécies

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

É preciso olhar para cima para perceber a beleza grandiosa do mulateiro (Calycophyllum sprunceanum), árvore cujo tronco esbelto se direciona reto ao

Jovens lideranças ribeirinhas da Amazônia criam Rede de Gestores Comunitários

Jovens lideranças ribeirinhas da Amazônia criam Rede de Gestores Comunitários

A região do Médio Solimões, no Amazonas, abriga centenas de comunidades ribeirinhas, presentes também nas diversas unidades de conservação da área.