Porto Velho (RO) domingo, 19 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

EMBRAPA: Universitários participam de evento sobre plantio direto em Rondônia




DANIEL MEDEIROS  
Embrapa

Foto: Daniel Medeiros Gente de Opinião
Estudantes poderão conhecer as experiências de Plantio Direto realizadas pela Embrapa
Foto: Daniel Medeiros Gente de Opinião
Palhada protege o solo contra a radiação solar, ajuda a manter a umidade e evita erosão
Foto: Daniel Medeiros Gente de Opinião
Milho é uma das culturas utilizadas para plantio direto e integração lavoura pecuária floresta

Conjunto de técnicas de cultivo que visa proteger o solo e reduzir impactos ambientais, o Sistema de Plantio Direto é tema de dia de campo que será realizado pela Embrapa Rondônia nesta sexta-feira, dia 12, em Porto Velho. O evento foi preparado para estudantes universitários dos cursos de agronomia, biologia e zootecnia e terá como palestrantes jovens bolsistas e estagiários da Embrapa, acompanhados por seus respectivos orientadores.

O Sistema de Plantio Direto é baseado em três princípios básicos: não revolvimento do solo, rotação de culturas e uso de cobertura para a formação de palhada. O não revolvimento do solo significa não utilizar sistematicamente mecanização para aração e gradagem da terra. O plantio é feito diretamente sobre a palhada seca, que serve como proteção do solo e adubo natural para as plantas.

Doutor de Ciência do Solo, o pesquisador da Embrapa Rondônia Alaerto Marcolan explica que durante o evento serão abordadas as principais características do sistema, suas vantagens e desvantagens e as experiências realizadas no Campo Experimental de Porto Velho. Durante os últimos dois anos, foram conduzidos experimentos com arroz, soja, sorgo, milho e milheto alternadamente.

Dentre as vantagens ambientais da tecnologia está a diminuição expressiva da perda de solo por erosão. Por não permanecer exposta, a terra fica menos vulnerável aos efeitos da radiação solar e das enxurradas, principalmente. Outro benefício é a manutenção de carbono no solo, o que contribui para reduzir a emissão de gases de efeito estufa.

Além de tratar dos aspectos específicos do Plantio Direto, o dia de campo vai abordar também cultivares e zoneamento para soja e milho, culturas agrícolas comumente utilizadas neste sistema. André Rostand Ramalho, pesquisador da Embrapa Rondônia e responsável pela estação que vai tratar do assunto, explica que um importante instrumento disponível a produtores e técnicos é o Zoneamento Agrícola de Risco Climático.

“O Zoneamento faz a indicação das épocas de plantio de menor risco para as diferentes culturas e recomenda cultivares para cada Estado separadamente”, afirma André Rostand. Lançado anualmente pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o documento serve também como referência para a liberação de finaciamentos de safra.

Completam os temas de estação do evento pragas e doenças de soja e milho e integração lavoura pecuária floresta. O dia de campo é organizado pela Embrapa Rondônia, uma das 43 unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao MAPA. As atividades começam às 8h, se encerram ainda pela manhã e serão realizadas no Campo Experimental de Porto Velho, área da Embrapa localizada na BR 364 km 5,5, sentido Cuiabá, na capital do Estado de Rondônia 

Fonte: Embrapa

Mais Sobre Amazônias

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Onde e como a Amazônia entra nessa história escrita por linhas tortas?

Pesquisadores iniciam campanha de captura científica de onças-pintadas em reserva na Amazônia

Pesquisadores iniciam campanha de captura científica de onças-pintadas em reserva na Amazônia

Capturas científicas acontecem periodicamente há mais de dez anos na Reserva Mamirauá. Objetivo dos cientistas é monitorar o movimento e área de vida

Instituto Mamirauá oferece curso de manejo de pirarucu na Amazônia

Instituto Mamirauá oferece curso de manejo de pirarucu na Amazônia

Curso está na nona edição e capacita profissionais para a implementação de sistemas de manejo de pirarucu. Interessados podem se inscrever até 15 de m

Instituto Mamirauá está à procura de bolsistas para o estudo de práticas agrícolas na Amazônia

Instituto Mamirauá está à procura de bolsistas para o estudo de práticas agrícolas na Amazônia

As bolsas têm duração de até cinco anos e são indicadas à pesquisadores com disponibilidade de trabalhar na Amazônia Central, nas reservas onde o inst