Porto Velho (RO) sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

EMBRAPA: Treinamento fortalece estratégia de controle da ferrugem asiática da soja



Daniel Medeiros
Embrapa Rondônia

Doença com maior potencial de causar danos econômicos na cultura da soja, a ferrugem asiática será o tema central de um curso oferecido esta semana pela Embrapa Rondônia a profissionais da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvipastoril de Rondônia (Idaron). O treinamento começa nesta quarta-feira, no auditório da Fiero, em Vilhena, Cone Sul do Estado, e termina na sexta-feira com uma visita às lavouras experimentais da Embrapa no município. A ferrugem asiática da soja é uma doença fúngica que na última safra causou prejuízo estimado em 71,7 milhões de dólares no Brasil.

Um dos instrutores do curso, o engenheiro agrônomo Rodrigo Brogin, da Embrapa Soja, afirma que “o grande segredo no controle da ferrugem asiática da soja é a aplicação do fungicida bem no início do ciclo da doença ou até mesmo antes de surgirem os primeiros sintomas”. Por isso, os especialistas atribuem grande importância à técnica do diagnóstico.

Para facilitar o monitoramento de ocorrência da ferrugem em cada safra, foi criado em setembro de 2004 o Consórcio Antiferrugem, iniciativa que conta com a participação de diversos segmentos da cadeia produtiva da soja, como fundações, universidades, institutos de pesquisa, entidades representantes de fabricantes de insumos e cooperativas de produtores.

A cada nova safra, são colocados em um mapa interativo os pontos em que surgem os primeiros focos da doença. A informação logo é disseminada por meio da internet e de outros canais de comunicação. “Quando surge o primeiro foco da doença é certo que ela já está presente em outras lavouras e esse é o alerta para a aplicação do fungicida”, explica o pesquisador da Embrapa Rondônia Vicente Godinho, que vai tratar de técnicas de diagnóstico durante o curso.

A ferrugem da soja foi relatada pela primeira vez na Àsia, em 1902, e foi percebida no Brasil em 1979, no Estado de Minas Gerais. Mas foi apenas na safra 2001/2002 que a doença trouxe danos significativos aos produtores do país. Ainda hoje, ela é considerada um problema novo para a sojicultura nacional, principalmente do que diz respeito a diagnóstico, manejo e controle.

Nova cultivar 

Uma das formas de facilitar o manejo da doença é a utilização de cultivares resistentes. No ano passado, a Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, lançou a BRSGO 7560, cultivar de soja portadora de um gene que confere resistência à ferrugem. Resultado de 13 anos de pesquisa, foi desenvolvida em parceria com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado de Goiás (SEAGRO).

A planta é cultivada no Campo Experimental de Vilhena, área da Embrapa Rondônia que será visitada pelos participantes no último dia de curso. Com ela, é possível controlar a doença com menos fungicida, o que reduz os custos econômico e ambiental. A cultivar, no entanto, não apresenta desempenho ideal na Amazônia, sendo mais adaptada ao Centro-Sul do Brasil, o que motiva os pesquisadores a desenvolverem novas cultivares resistentes e adaptadas a outras regiões.

Além da ferrugem da soja, o curso vai abordar diferentes etapas do sistema de produção, como escolha da área de cultivo, preparo do solo, tratamento de sementes, adubação, semeadura, controle de invasoras, pragas e doenças. Milho e arroz também entram na pauta do treinamento, com apresentação de cultivares disponíveis e suas características. O evento é fruto de uma parceria da Embrapa Rondônia com a Idaron e conta com a articulação do IEL, Instituto Euvaldo Lodi, uma entidade do sistema indústria em Rondônia.

Mais Sobre Amazônias

Pesquisa investiga como acontecem emissões de metano em florestas alagáveis da Amazônia

Pesquisa investiga como acontecem emissões de metano em florestas alagáveis da Amazônia

As águas sobem, espalham-se e invadem florestas. Folhas, frutos e galhos, agora submersos, ficam sob o solo ou são transportados pelas águas. É tempo

Cientistas estimam população de botos na bacia do rio Amazonas

Cientistas estimam população de botos na bacia do rio Amazonas

Uma expedição científica reuniu organizações internacionais para realizar registros de avistagem de botos ao longo do rio Amazonas-Solimões. O objetiv

Arqueólogos descobrem conjunto de ilhas artificiais pré-coloniais na Amazônia

Arqueólogos descobrem conjunto de ilhas artificiais pré-coloniais na Amazônia

‘É construção de índio’, explicaram os ribeirinhos sobre o lugar onde moram: as cerca de 20 ilhas artificiais recentemente descobertas por arqueólogos

Pirarucu de manejo tem preço mínimo estabelecido em R$7,83/kg

Pirarucu de manejo tem preço mínimo estabelecido em R$7,83/kg

Reivindicação dos pescadores, o preço mínimo do pirarucu de manejo é realidade após a inclusão do produto na lista que integra a Política de Garanti