Porto Velho (RO) quarta-feira, 26 de junho de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

É possível recuperar áreas degradadas e gerar ganhos econômicos

Agricultores familiares estão aprendendo que através de modelos sustentáveis é possível aliar o cumprimento das normas ambientais com geração de renda


É possível recuperar áreas degradadas e gerar ganhos econômicos - Gente de Opinião

O mito de que a preservação ambiental é contraditória com a sustentação econômica vem sendo rompido em Rondônia com a implantação de modelos em áreas degradadas que aliam a recuperação da cobertura florestal com produção sustentável. Essa mudança de olhar é um dos objetivos das ações de extensão rural do projeto Plantar, que orienta os produtores sobre possibilidades e oportunidades de renda durante o ciclo de recuperação de áreas em desconformidade com o Código Florestal.

Essa antiga percepção vem de um conceito desenvolvimentista que em nada contribui com as reais necessidades dos agricultores familiares e os distanciam de modelos exequíveis e adequados ao bioma amazônico, explica a extensionista Sheila Noele da Silva Moreira: “prega-se um discurso de que ações de conservação e preservação ambiental são antagônicos à produção agrícola e geração de renda. Isso não é verdade, hoje existem infinitas alternativas para trabalhar a terra conservando os recursos naturais e obtendo renda”, afirma.

No modelo proposto pelo Projeto Plantar é possível que o agricultor tenha possibilidades e oportunidades de gerar renda enquanto recupera Áreas de Preservação Permanentes - APP e de Reserva Legal – RL. Esse método vem sendo testado com sucesso há alguns anos, inclusive com forte participação dos agricultores.

Com a implementação do Programa de Regularização Ambiental – PRA os trabalhos estão sendo difundidos em Rolim de Moura, Novo Horizonte D’Oeste, Castanheiras, Presidente Médici, Ji-Paraná, Ouro Preto do Oeste, Jaru, Ariquemes, Machadinho D’Oeste, Rio Crespo, Cujubim e Itapuã do Oeste por uma equipe de extensionistas multidisciplinar, formada por biólogos, engenheiros florestais, agrônomos e técnicos florestais e agrícolas. Outro objetivo destas ações é proporcionar aos beneficiários um melhor planejamento da sua propriedade, alinhando a adequação ambiental à área produtiva.

Já foram realizadas mais de 1.500 visitas a cerca de 300 famílias cadastradas no projeto Plantar. A meta é atender 3.600 famílias para que melhorem seus conhecimentos, práticas e vivam com dignidade no campo. Pretende-se olhar a propriedade como um todo, visando não apenas a adequação ambiental, mas o planejamento gerencial da área produtiva, de forma que em uma área menor seja possível aumentar a produtividade e a renda familiar. As ações de extensão rural acontecerão ao longo dos quatro anos de projeto.

O projeto Plantar é realizado pelo Centro de Estudos (CES) Rioterra, em cooperação com a Ação Ecológica Guaporé – Ecoporé e Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Rondônia – FETAGRO, com a parceria da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental – SEDAM e apoio financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES através do Fundo Amazônia.

É possível recuperar áreas degradadas e gerar ganhos econômicos - Gente de Opinião

Mais Sobre Amazônias

Projeto de manejo de pirarucu na Amazônia ganha Prêmio Rolex de Empreendedorismo

Projeto de manejo de pirarucu na Amazônia ganha Prêmio Rolex de Empreendedorismo

A implementação do manejo de pirarucu (Arapaima gigas) na Amazônia resultou em projeto premiado pelo Prêmio Rolex de Empreendedorismo de 2019, nos E

Projeto de Indicação Geográfica do Pirarucu de Manejo de Mamirauá avança com criação de organização gestora

Projeto de Indicação Geográfica do Pirarucu de Manejo de Mamirauá avança com criação de organização gestora

Lançado em 2018, o projeto “Indicação Geográfica (IG) Pirarucu de Manejo da Região de Mamirauá” avançou para a última etapa com a criação da Federaç

A embalagem que vem, mas não volta: problemas ambientais em comunidades da Amazônia são debatidos em encontro

A embalagem que vem, mas não volta: problemas ambientais em comunidades da Amazônia são debatidos em encontro

A mais de 300 quilômetros de Manaus e dentro da Reserva Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, está localizada a comunidade Punã, no estado do Amazonas

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Onde e como a Amazônia entra nessa história escrita por linhas tortas?