Porto Velho (RO) terça-feira, 23 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

CULTURA: Fotógrafo prudentino sonha com a Amazônia


 
 

MONTEZUMA CRUZ  
Amazônias


BRASÍLIA – Pedro Paulo Beroth, 22 anos, não vai sossegar enquanto os estados do norte do País forem para ele apenas foto, cartão postal ou quadros na parede. Quer senti-los de verdade, da mesma forma como conheceu litoral brasileiro e a Argentina. Em Palermo, Buenos Aires, emprestou câmeras para fazer o curso de fotografia. Sonha com a oportunidade de trabalhar em algum município do interior, prestando serviços de assessoria.

— No período de folga posso percorrer rios, florestas, estradas, e conhecer minerações, camponeses, garimpeiros e povos indígenas. Quero mesmo fazer fotografia documental — se compromete. 

Com 22 anos, nascido e criado em Presidente Prudente (SP), onde trabalha numa agência de aluguel de carros, o jovem também conhecido por Pedro Malamam sabe que as Amazônias motivam cada vez mais o conteúdo dos trabalhos dos notáveis peregrinos nacionais Pedro Martinelli, Kim-Ir-Sem, Dida Sampaio, Araquém Alcântara e outros com expressão regional. Não quer perder o bonde da história. Ao postar seu trabalho no Portal de Luís Nassif, apelou-me para apresentá-lo ao leitorado nortista. 

Rumo à Argentina 

 

CULTURA: Fotógrafo prudentino sonha com a Amazônia  - Gente de Opinião

Palermo: no Teatro Improviso, neste bairro de Buenos Aires, usou uma Nikon D200 ao retratar o ator no chão, cercado por pessoas, como se estivesse em julgamento



A fotografia o seduziu a partir dos 16 anos. Comprou logo alguns livros e expandiu seus conhecimentos. Inclinou-se pelo preto e branco, embora cedesse aos encantos da cor.

— O mundo é colorido. Pouco a pouco fui aprendendo e desvendando a verdadeira fotografia — comenta.

Aos 19 anos, Malamam iniciou o curso de Comunicação Social na Unoeste de Presidente Prudente. Sentiu dificuldades ao notar que a matéria curricular de fotografia não era a que realmente almejava.

— Meu modo de vida e o mundo que se descortina para mim é outro. Naquela época percebi a queda da ficha: se quisesse mostrar algo impressionante, de qualidade para os diferentes padrões dos apreciadores da arte fotográfica, precisaria viajar — justifica.

Um ano depois iniciou as primeiras produções. E veio a chance de ouro: seus dois primos moradores em Buenos Aires toparam hospedá-lo. Malamam não pensou duas vezes, arrumou a bagagem e foi embora.

— Entrei de cabeça. No começo, busquei algum curso rápido e barato de fotografia, porque a minha situação financeira só me permitia isso. Em seguida, melhorei — relata.

Volta

Ao constatar a existência de Licenciatura em Fotografia na Universidade Palermo, a sorte lhe sorriu. Mesmo não tendo câmera, computador e tampouco domínio da língua espanhola, matriculou-se no curso. Importava-lhe aprender a arte e evoluir.

— Descobri que a fotografia era uma parte de mim e era aquilo que queria fazer para viver. Estudava plenamente, me dedicava ao máximo.

Um dos primos o auxiliou a traduzir os trabalhos. Dotado de força de vontade, ele obteve boas notas. Mais tarde veio o primeiro revés, motivado pela falta de dinheiro. Apertado, viu-se obrigado a retornar para a terra natal, que fica a 570 quilômetros de São Paulo.

Em Presidente Prudente, Malamam manteve-se esperançoso em retornar para Buenos Aires, acompanhando os primos, mas desistiu quando perdeu o pai. Continua persistindo. E sonhando:

— Faço tudo para me dedicar a esse estilo de vida que a fotografia possibilita. Não vou desistir nunca. 

 

CULTURA: Fotógrafo prudentino sonha com a Amazônia  - Gente de Opinião

Salvador: novamente Pedro aciona a Canon para mostrar o movimento de vendedores e turistas no Pelourinho, uma área 100% afro-brasileira



Contato
pedromalamam@hotmail.com
 

Mais fotos
http://www.lightstalkers.org/pedro-malamam
 
www.pedromalamam.carbonmade.com
  Gente de Opinião

Clique neste twitter para seguir Montezuma    

 

Mais Sobre Amazônias

Oficina apresenta manejo agroecológico de gado para ribeirinhos de reserva da Amazônia

Oficina apresenta manejo agroecológico de gado para ribeirinhos de reserva da Amazônia

Todo ano a história se repete para quem cria gado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, no Amazonas. Na época seca, quando o nível dos rios

Três curiosidades sobre a reprodução de peixes   na Amazônia

Três curiosidades sobre a reprodução de peixes na Amazônia

O manejo do pirarucu (Arapaima gigas), realizado em diferentes partes da Amazônia, é símbolo de um modelo de conservação onde os recursos naturais pod

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

Amazônia: Armadilhas fotográficas são usadas para monitorar predadores e comportamento de jacarés

houve registro inédito do gavião-preto como predador de ovos do jacaré-açu

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Turismo pode ajudar a resgatar cultura kambeba na Amazônia

Entre os kambeba da terra indígena do Jaquiri, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas, 47 das 49 pessoas que residem na peque