Porto Velho (RO) sábado, 15 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?


Como fica a Amazônia, Sr. Presidente? - Gente de Opinião

No dia 14, o então ministro-chefe da secretaria geral da presidência da república, Gustavo Bebianno, chegaria à Amazônia na companhia dos ministros do meio ambiente (Ricardo Salles) e da ministra da mulher, família e direitos humanos (Damares Alves). Eles viriam atestar a prioridade dada à Amazônia pelo governo Bolsonaro. 

Os governadores da região foram convidados para a viagem pela área que seria o centro dessa nova incursão: a margem esquerda do rio Amazonas, a menos ocupada e menos alterada da imensa fronteira amazônica.

A abertura da nova fronteira seria induzida por três obras de infraestrutura. A primeira seria o prolongamento da BR-163 (Cuiabá-Santarém) até a fronteira com o Suriname, bifurcando-se para a Guiana (ex-Inglesa) e a Guiana Francesa, abrindo acesso ao litoral marítimo próximo ao Caribe. Seria retomada a construção da hidrelétrica de Cachoeira Porteira, no rio Trombetas, no Pará; e uma ponte e um novo porto em Óbidos, o ponto – em território paraense – em que o Amazonas é mais estreito, com menos de dois quilômetros de largura.

Na prática, seria dar dinamismo ao Projeto Calha Norte, criado em 1985 pelo presidente José Sarney, como uma das suas primeiras medidas após o fim do ciclo militar. A iniciativa teria coerência com a marca militarista de Bolsonaro, inspirada na corrida à Amazônia a partir dos anos 1970 com a política de integração nacional, sob o lema “integrar para não entregar” a região aos estrangeiros, que a estariam cobiçando.

Causou surpresa a decisão tomada, mas ninguém duvidou das credenciais de Bebianno para organizar a viagem, que começaria no Pará. Além de trabalhar no Palácio do Planalto, como secretário-geral da presidência, ele tinha sob a sua jurisdição a Secretaria de Assuntos Estratégicos. Dois dias antes da data marcada, porém, a viagem foi cancelada, sob a alegação de que os ministros haviam disso convocados à última hora para uma reunião em Brasília. Uma nova data seria anunciada oportunamente.

Só com a revelação, ontem, da gravação das conversas do presidente com o ministro, por Whatsapp, é que se teve acesso à verdadeira história. Num dos áudios, Bolsonaro inquire Bebianno: “Gustavo, uma pergunta: ‘Jair Bolsonaro decidiu enviar para a Amazônia’? Não tô entendendo. Quem tá patrocinando essa ida para a Amazônia? Quem tá sendo o cabeça dessa viagem à Amazônia?”.

“Essa missão não vai ser realizada. Conversei com o Ricardo Salles. Ela tava chateado que tinha muita coisa pra fazer e está entendendo como missão minha. Conversei com a Damares. A mesma coisa. Agora eu não quero que vocês viagem porque... Vocês criam a expectativa de uma obra. Daí vai ficar o povo todo me cobrando. Isso pode ser feito quando nós acharmos que vai ter recurso, o orçamento é nosso, vai ser aprovado, etc. Então essa viagem não se realizará, Ok?”, encerrou o presidente.

Fica a dúvida: qual o enredo verdadeiro? O de Bebianno ou o de Bolsonaro? Onde e como a Amazônia entra nessa história escrita por linhas tortas?

Mais Sobre Amazônias

Fogo em área recém-desmatada na Amazônia disparou em 2019

Fogo em área recém-desmatada na Amazônia disparou em 2019

O fogo em áreas recém-desmatadas na Amazônia respondeu por 34% dos focos de calor registrados em 2019 na região. Foi a maior taxa dos últimos quatro

FT Amazônia: operação desarticula organização criminosa que obteve lucro de mais de R$ 330 milhões com fraudes e grilagem de terras em RO

FT Amazônia: operação desarticula organização criminosa que obteve lucro de mais de R$ 330 milhões com fraudes e grilagem de terras em RO

A Operação Amicus Regem cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços de investigados em Porto Velho (RO), Brasília (DF), Cuiabá (MT), São Paulo

Nota do IPAM sobre decreto de moratória do fogo na Amazônia

Nota do IPAM sobre decreto de moratória do fogo na Amazônia

O decreto 10.424, de 15 de julho de 2020, publicado no Diário Oficial da União, proíbe o uso de fogo na Amazônia e no Pantanal nos próximos 120 dias.