Porto Velho (RO) segunda-feira, 16 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

Bispo do Xingu ganha o Nobel alternativo por defender indígenas na Amazônia


Bispo do Xingu ganha o Nobel alternativo por defender indígenas na Amazônia - Gente de Opinião

Dom Erwin: “Não estou feliz em meu nome, mas por causa da Amazônia e dos povos indígenas que merecem esse reconhecimento” /PAZ NO CAMPO

 
 

AGÊNCIA EFE


BELÉM, Pará – A Fundação Right Livelihood Award homenageou quinta-feira com o chamado 'Prêmio Nobel alternativo' 2010 os esforços do bispo brasileiro Erwin Kräutler em prol das tribos indígenas e da preservação da Amazônia.


Dom Kräutler recebeu em Estocolmo o prêmio por "uma vida de trabalho pelos direitos ambientais e humanos dos povos indígenas" e seus "esforços por salvar a Amazônia da destruição".


Kräutler, de 71 anos, se destacou pela defesa dos direitos indígenas na região paraense do Xingu, de cuja diocese é bispo desde 1980.


Seu trabalho possibilitou a inclusão dos direitos indígenas na Constituição brasileira de 1988, uma linha que seguiu promovendo no Conselho Indigenista Missionário (Cimi).


Com o Cimi, Kräutler impulsionou projetos de construção de casas, escolas e centros para crianças, mães e mulheres gestantes.


Também foi ferrenho opositor da construção da hidrelétrica de Belo Monte no rio Xingu, em razão dos irreparáveis danos ambientais que causaria na região, enfrentando assim o Governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


O júri do Nobel Alternativo reconheceu também os esforços do nigeriano Nnimo Bassey em defesa do meio ambiente, contra as petrolíferas de seu país.


Os quatro agraciados pelo Nobel Alternativo dividirão 200 mil euros em prêmios (US$ 272 mil). A cerimônia de entrega das homenagens será realizada no dia 6 de dezembro no Parlamento sueco.


Os outros premiados foram a organização israelense "Médicos para os Direitos Humanos-Israel", que atua em seu próprio país e na Palestina, o nigeriano Nnimmo Bassey, de 52 anos, que "revelou os horrores ecológicos e humanos da produção del petróleo", e o nepalês Shrikrishna Upadhyay, de 65 anos, em conjunto com a organização Sappros, que "trabalham contra as múltiplas causas da pobreza", segundo o júri.


A cerimônia de premiação no Parlamento sueco será realizada no dia 6 de dezembro.


O Right Livelihood Award (Prêmio Modo de Vida Correto) foi adotado em 1980 pelo escritor e ex-eurodeputado sueco-alemão Jakob von Uexküll. A homenagem distingue o trabalho social de pessoas e instituições e é considerada a ante-sala do Nobel da Paz.


Vários ganhadores do prêmio 'alternativo' acabaram recebendo depois o outro prêmio, como a queniana Wangari Maathai, que recebeu o Right Livelihood.


Segundo informa o Boletim da CNBB, 30-09-2010, Dom Erwin justificou a alegria de receber o prêmio. “Não estou feliz em meu nome, mas por causa da Amazônia e dos povos indígenas que merecem esse reconhecimento!”, declarou.
 

Mais Sobre Amazônias

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Realizar partos é um conhecimento milenar transmitido de geração em geração pelos povos amazônicos. Com o objetivo de identificar os usos e espécies

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

É preciso olhar para cima para perceber a beleza grandiosa do mulateiro (Calycophyllum sprunceanum), árvore cujo tronco esbelto se direciona reto ao

Jovens lideranças ribeirinhas da Amazônia criam Rede de Gestores Comunitários

Jovens lideranças ribeirinhas da Amazônia criam Rede de Gestores Comunitários

A região do Médio Solimões, no Amazonas, abriga centenas de comunidades ribeirinhas, presentes também nas diversas unidades de conservação da área.

Macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta pode ser extinto nos próximos 40 anos, mostra pesquisa

Macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta pode ser extinto nos próximos 40 anos, mostra pesquisa

Pequeno e ágil, o amazônico macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii) corre o risco de ser extinto nas próximas décadas. Isso porque as mu