Porto Velho (RO) quarta-feira, 18 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

A ocupação amazônica sob o impacto da pecuária


 

A ocupação amazônica sob o impacto da pecuária - Gente de Opinião
Efeitos causados pela formação de pastagens
são agora estudados pelo Museu Goeldi /ARQUIVO

 

  

LUCILA VILAR
Agência Museu Goeldi

BELÉM, Pará – Com mais de três décadas de atividades na região amazônica, a pecuária é uma atividade que interfere diretamente no processo de ocupação da região. A conversão da floresta primária em pastagens pode causar uma série de impactos, como alterações nos ciclos bioquímicos e a perda de biodiversidade.

Buscando analisar esse processo, a bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, Gabriele Ferreira Monteiro, orientada pelo pesquisador Jorge Gavina Pereira, desenvolveu o estudo “Caracterização do Desflorestamento na Fronteira da Expansão da Agropecuária no Sudeste do Estado do Pará”. As áreas escolhidas para a análise foram os municípios de São Félix do Xingu e Altamira, no sudeste paraense, dada as suas relevâncias no processo de expansão da ocupação de fronteira.

Gabriele conta que o objetivo do estudo foi analisar os padrões de abertura de áreas de floresta para a expansão da fronteira agropecuária no Sudeste do Estado, no período de 1997 a 2008. Para desenvolver a

A ocupação amazônica sob o impacto da pecuária - Gente de Opinião

Desflorestamento total em 2009 /AG.MUSEU GOELDI

analise, Gabriele estabeleceu como base seis unidades espaciais e utilizou dados de desflorestamento gerados pelo Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia (Prodes) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), informações reconhecidas como oficiais do governo brasileiro.


 

Resultados

Tomada como ponto inicial de referência, é a partir da sede do município de São Félix do Xingu, que se definiram as seis unidades espaciais utilizadas na pesquisa. Divididas de forma concêntrica (circular), as unidades estão em trechos de 0-50 quilômetros, 50-100km, 100-150km, 150-200km, 200-250km e 250-300km da sede.

De acordo com a pesquisa, os resultados permitiram comparar as unidades espaciais de estudo e o comportamento do desflorestamento para cada um dos anos analisados. Na área mais próxima da cidade de São Félix, por exemplo, onde a ocupação é mais antiga, há pouca floresta e muita intervenção humana.

Veja Cenários de produção agrícola, pecuária e conflitos fundiários em Altamira e São Félix do Xingu. Texto completo aqui

 

 

Mais Sobre Amazônias

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

O programa Ambiente É o Meio desta quarta-feira conversa com o engenheiro, pesquisador e coordenador do Programa Amazônia, do Instituto Nacional de Pe

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Realizar partos é um conhecimento milenar transmitido de geração em geração pelos povos amazônicos. Com o objetivo de identificar os usos e espécies

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

É preciso olhar para cima para perceber a beleza grandiosa do mulateiro (Calycophyllum sprunceanum), árvore cujo tronco esbelto se direciona reto ao

Jovens lideranças ribeirinhas da Amazônia criam Rede de Gestores Comunitários

Jovens lideranças ribeirinhas da Amazônia criam Rede de Gestores Comunitários

A região do Médio Solimões, no Amazonas, abriga centenas de comunidades ribeirinhas, presentes também nas diversas unidades de conservação da área.