Porto Velho (RO) domingo, 22 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

A hidrovia contra o apagão logístico


 

A hidrovia contra o apagão logístico  - Gente de Opinião

No rumo: derrocamento dos pedrais aumenta o calado no rio Tocantins, possibilitando a navegação na hidrovia Tocantins-Araguaia em aproximadamente 500 quilômetros /DIVULGAÇÃO



FRANSSINETE FLORENZANO
Amazônias


BELÉM, Pará — Contra o apagão logístico, a hidrovia. Este é o desafio lançado pelo presidente da Frente Parlamentar Pró-Hidrovias e Portos do Pará, deputado estadual Luis Cunha (PDT), como solução para baratear significativamente o frete entre o Pará e os demais estados amazônicos, do nordeste e do centro-oeste brasileiro.

Cunha defende há anos um conjunto sistemático, eficazmente planejado em favor das hidrovias Tocantins-Araguaia, Tapajós-Teles Pires, Marajó e Guamá-Capim. Sabe que a forte demanda de transporte no País, aliada à falta de infraestrutura nos portos brasileiros, já está sendo usada como argumento para justificar o reajuste do frete em 14%, com prejuízos para a economia de todo o País.

Reforçando a distorção histórica na matriz de transportes, pesquisa da Associação Nacional de Transporte de Carga e Logística revela: 45% das empresas do setor de transporte de carga pretendem investir em caminhões neste ano.

— Por que não viabilizar as hidrovias, com o frete infinitamente mais barato, sem os perigos, os estragos no asfalto e o trânsito infernal que acarretam enormes filas de carretas nas estradas e nas cidades, num círculo vicioso de mais poluição sonora e atmosférica, engarrafamentos, acidentes e falta de competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional? — propõe Cunha.

Reduzir diferenças regionais 
A hidrovia contra o apagão logístico  - Gente de Opinião

Cunha: "Esforços e incentivos são importantes para ampliação da malha hidroviária da Amazônia Oriental



O deputado lembra que esforços e incentivos são importantes para a ampliação da malha hidroviária da Amazônia Oriental.

— É preciso dotar a região de condições técnicas e operativas para competir na conquista de novos produtos, processos e mercados. Isso vai integrá-la mais fortemente ao contexto nacional produtivo e reduzir as diferenças regionais — ele diz.

De que jeito? Com o uso de tecnologias na infraestrutura básica e maior valor agregado, o que eleva os índices de crescimento e desenvolvimento, ele defende.

Paralelamente às eclusas de Tucuruí, que deverão ser concluídas este ano, o derrocamento dos pedrais (eliminação do conjunto de pedras para aumentar o calado) no rio Tocantins possibilitará em 500 quilômetros a navegação na hidrovia Tocantins-Araguaia, desde Marabá até Vila do Conde.

De março a julho, muitas obras

Esse derrocamento permitirá o escoamento da produção e o desenvolvimento econômico e social não apenas do Pará, mas do País, diante do caráter de integração nacional que tem as bacias hidroviárias. No final de 2009, a Secretaria de Meio Ambiente do Pará expediu Termo de Referência para o Relatório de Controle Ambiental do trabalho nos pedrais.

Estima-se que a licença seja expedida este mês, com o que o DNIT poderá publicar o edital de licitação para a executar o derrocamento, orçado em R$ 580 milhões, e iniciar os serviços no segundo semestre de 2010.

Segundo o presidente da Frente Parlamentar, desde a conclusão da segunda fase da hidrelétrica de Tucuruí, em 2006, os níveis do reservatório da barragem têm variado muito, apresentando sérios riscos à navegação no trecho entre a ilha do Bogéia e a localidade de Santa Terezinha do Taury (PA), devido ao afloramento rochoso.

— É inadiável o aproveitamento dos nossos rios como estradas naturais, num sistema multimodal. Isto será uma verdadeira revolução para o bem do Pará e do Brasil. Com a construção de terminais hidroviários nos municípios do interior, acessos aos portos públicos, há que se salientar, ainda, sob os pontos de vista estratégico, político e econômico, os reflexos na expansão da fronteira agrícola, formação de infraestrutura, disseminação das fontes de trabalho e renda — analisa.

Cunha prevê o surgimento de atividades que orbitam os fluxos de produtos, mercadorias e serviços. Lembra que a retomada do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em 2007 permitiu a construção das eclusas de Tucuruí, que têm conclusão prevista para julho deste ano.

Iniciada em 1981, a obra vencerá um desnível de 72 metros de altura provocado pela construção da barragem de Tucuruí e restabelecerá a navegabilidade no rio Tocantins, permitindo o tráfego de comboios com carga.

O sistema de transposição é composto por duas eclusas e um canal intermediário. Nesta fase, a eclusa 1 está com 93% das obras concluídos, o canal intermediário, 91% concluídos e a eclusa 2, está com 82% concluídos. Já foram adquiridos 75% dos equipamentos eletromecânicos, entre os quais, bombas e portas de ferro, que são responsáveis pelo sistema de enchimento e esvaziamento das câmaras das eclusas.

Siga Franssinete Florenzano no twitter. Clique aqui.

Mais Sobre Amazônias

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

É possível criar gado de modo sustentável na Amazônia? Especialistas respondem

“O gado não é o grande vilão, a forma que é feita essa produção que pode ser maléfica ou não”, explica a engenheira agrônoma Jerusa Cariaga. Isso po

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

A Amazônia pode desaparecer como floresta e isso vai impactar o mundo todo

O programa Ambiente É o Meio desta quarta-feira conversa com o engenheiro, pesquisador e coordenador do Programa Amazônia, do Instituto Nacional de Pe

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Pesquisa faz levantamento de plantas utilizadas por parteiras tradicionais da Amazônia

Realizar partos é um conhecimento milenar transmitido de geração em geração pelos povos amazônicos. Com o objetivo de identificar os usos e espécies

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

Na Amazônia, sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver em época de cheia

É preciso olhar para cima para perceber a beleza grandiosa do mulateiro (Calycophyllum sprunceanum), árvore cujo tronco esbelto se direciona reto ao