Porto Velho (RO) domingo, 19 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Amazônias - Gente de Opinião

Amazônias

A efetiva fiscalização na fronteira da Amazônia - Por Marcelo Freire


O resultado da Operação Ajuricaba III, deflagrada pelo Exército no período de 16 a 21 em toda a região de fronteira nos estados de Rondônia e Acre, mostra a real necessidade da permanência efetiva do monitoramento da fronteira. Durante cinco dias de trabalho, veículos e embarcações foram vistoriados com apreensão de madeiras, animais, armas e drogas.

O resultado dessa operação não poderia ser diferente; 41 pessoas presas em flagrante praticando algum tipo de delito. O Diário, por diversas vezes, tem alertado a importância da fiscalização e monitoramento da fronteira. A divisa de Rondônia com a Bolívia continua sendo a principal porta de entrada de drogas e outros produtos do crime para território brasileiro.

É justamente pela fronteira que entra todo o armamento pesado para abastecer as organizações criminosas. Sem a fiscalização efetiva do Exército e com as atenções direcionadas pelo Sul do Brasil, as fronteiras na região de Rondônia, Acre e Amazonas, ficam cada vez mais vulneráveis.

O Brasil contabiliza números impressionantes com o contrabando de cigarros e tráfico de drogas na fronteira com a Bolívia, Paraguai e Argentina. Somente no ano passado, foram apreendidos pela Receita Federal e Polícia Federal mais de US$ 146 milhões com o contrabando de drogas, armas, brinquedos e produtos falsificados que ingressam no Brasil com todo o apoio logístico dos ‘mulas’.
O Acre também oferece uma grande oportunidade para quem pretende ingressar no mundo do tráfico devido à falta de fiscalização efetiva na fronteira. Traficantes bolivianos e brasileiros costumam utilizar a rota acriana e circulam livremente em território rondoniense transportando produtos ilícitos. 

Um  ponto positivo da Operação Ajuricaba III é a presença do Exército Brasileiro em áreas de difícil acesso na Amazônia. Nesta etapa, a operação promoveu  atendimentos médicos, 184 atendimentos odontológicos, procedimentos de prevenção de saúde, além da distribuição de medicamentos e palestras.

O Comando Militar da Amazônia, segundo informou o Exército, colocou um efetivo de 1.050 militares e um apoio logístico com 60 viaturas, 13 embarcações e três aeronaves e contou com o apoio de vários outros órgãos federais. Todo esse trabalho tem um custo pesado no orçamento da União, mas o importante é a ação preventiva.

O trabalho preventivo é necessário e a ação do Exército Brasileiro também impacta diretamente na segurança pública.  A partir do momento que a fronteira é monitorada, os pontos de drogas seguem desabastecidos nas cidades.  A droga que vem da Bolívia traz consequências às famílias. Quem reside na fronteira pode ser um colaborador da segurança pública e tem toda a liberdade de denunciar quem contribuiu para o crime internacional.

Mais Sobre Amazônias

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Como fica a Amazônia, Sr. Presidente?

Onde e como a Amazônia entra nessa história escrita por linhas tortas?

Pesquisadores iniciam campanha de captura científica de onças-pintadas em reserva na Amazônia

Pesquisadores iniciam campanha de captura científica de onças-pintadas em reserva na Amazônia

Capturas científicas acontecem periodicamente há mais de dez anos na Reserva Mamirauá. Objetivo dos cientistas é monitorar o movimento e área de vida

Instituto Mamirauá oferece curso de manejo de pirarucu na Amazônia

Instituto Mamirauá oferece curso de manejo de pirarucu na Amazônia

Curso está na nona edição e capacita profissionais para a implementação de sistemas de manejo de pirarucu. Interessados podem se inscrever até 15 de m

Instituto Mamirauá está à procura de bolsistas para o estudo de práticas agrícolas na Amazônia

Instituto Mamirauá está à procura de bolsistas para o estudo de práticas agrícolas na Amazônia

As bolsas têm duração de até cinco anos e são indicadas à pesquisadores com disponibilidade de trabalhar na Amazônia Central, nas reservas onde o inst