Porto Velho (RO) sábado, 27 de fevereiro de 2021
×
Gente de Opinião

Agronegócio - Nacional

AFTOSA: Vacinação vai imunizar 130 mil cabeças em RO.


Iniciada desde o dia 1º de abril, a vacinação assistida contra febre aftosa vai percorrer cerca de 2.500 propriedades do Estado e vacinar com segurança nada menos de 130 mil cabeças de gado, com prioridade para as regiões suscetíveis de risco sanitário e as fronteiras com o território rondoniense, nesta primeira etapa que começou dia 15 último e vai até 15 de maio.

Gente de Opinião

Técnicos da Idaron vão percorrer e
acompanhar a vacinação em 2.500 propriedades

De acordo com o médico veterinário Walter Cartaxo, coordenador do Programa de Educação Sanitária da Agência de Defesa Agrossilvopastoril (Idaron), a vacinação assistida começa um pouco antes para tornar possível a adoção de todos os procedimentos, eis que além processo puro e simples de vacinação, os agentes e fiscais governamentais prestam orientações, confirmam os dados cadastrais de cada propriedade, número do rebanho e sua compatibilidade com as informações prestadas à agência.

Além disso, segundo ele, as equipes, que não são responsáveis pela aplicação da vacina, vistoriam e confirmam todo o trabalho nas áreas suscetíveis, confere o rebanho, método, critério e eficácia da vacinação – se escorreu após a aplicação ou não -, e ainda a conservação do estoque, que fora das condições adequadas pode comprometer a eficácia.

Cartaxo fez ver que o período da vacinação assistida (de 1º a 30 de abril) tem muito a ver com o universo da área a ser atendida, que compreende às cerca de 2.500 propriedades selecionadas (de risco sanitário), incluindo aí nada menos de 1.440 quilômetros das fronteiras do Estado, especialmente com a República da Bolívia, onde o Governo de Rondônia em nome do Governo Brasileiro vacina todas as propriedades num raio de 25 quilômetros adentro do território boliviano.

POTENCIAL E OBRIGAÇÃO

Gente de Opinião

Celeiro da pecuária brasileira, Rondônia tem 14 milhões de cabeças de gado no pasto

Importa esclarecer que o Estado de Rondônia, no contexto brasileiro, é um celeiro da pecuária de corte e leite, com mais de 90 mil propriedades produtivas, e nada menos de 14 milhões e cabeças de gado no pasto. E em sendo importante produtor e exportador de carne e leite, tem a obrigação de zelar pela qualidade sanitária de sua produção, e de todos aqueles com quem faz divisas territoriais.

Importante também que se diga que a vacinação assistida é um conceito criado pelo Ministério da Agricultura, com a finalidade de acompanhar a vacinação de todos os animais das áreas de risco sanitário, com vigilância sobre o rebanho, condições da vacina, local e o manejo vacinal, de modo a garantir a eficácia do procedimento e a consequente a imunização de todo o rebanho.


Fonte
Texto: Cleuber Rodrigues Pereira
Fotos: Idaron/Daiane Mendonça
Secom - Governo de Rondônia

Mais Sobre Agronegócio - Nacional

Estância Bahia Leilões aquece os martelos para o Mega Leilão 10.019 em Água Boa e Cuiabá

Estância Bahia Leilões aquece os martelos para o Mega Leilão 10.019 em Água Boa e Cuiabá

Os preparativos para o Mega Leilão 10.019 da Estância Bahia Leilões em Água Boa (20 de abril) e em Cuiabá (18 de maio) estão a todo vapor na leiloeira

Ipea projeta crescimento de 0,4% do PIB agropecuário em 2019

Ipea projeta crescimento de 0,4% do PIB agropecuário em 2019

Melhora do desempenho da lavoura é um dos destaques O setor agropecuário brasileiro deve avançar 0,4% em 2019. Projeções realizadas pelo Grupo de Conj

Central de reprodução equina comprova benefícios da implantação por sementes e resistência da forrageira do gênero Cynodon

Central de reprodução equina comprova benefícios da implantação por sementes e resistência da forrageira do gênero Cynodon

Praticidade e segurança são importantes benefícios desta cultivar A Central Araçá Reprodução Animal, na cidade de Araçatuba/SP, tem como negócio princ

Embrapa disponibiliza Sistema de Produção do Açaizeiro para Amazônia Ocidental

Embrapa disponibiliza Sistema de Produção do Açaizeiro para Amazônia Ocidental

A demanda pela polpa do açaí e seus derivados é crescente, principalmente após a “açaimania”