Porto Velho (RO) segunda-feira, 22 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Eleições 2018

Pesquisa do mercado mostra Bolsonaro com 59% e Haddad com 41%


Pesquisa do mercado mostra Bolsonaro com 59% e Haddad com 41%  - Gente de Opinião

247 com Infomoney - A pouco mais de duas semanas do segundo turno, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) lidera esta etapa da corrida presidencial com ampla vantagem. Segundo pesquisa XP/Ipespe, realizada em 8 e 9 de outubro, o parlamentar agora conta com 59% das intenções de votos válidos, contra 41% de seu adversário, o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad (PT). O levantamento, registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o código BR-02361/2018, tem margem de erro máxima de 2,2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

O resultado mostra um aumento expressivo da distância entre os candidatos em comparação com o último levantamento, divulgado há uma semana, quando Bolsonaro e Haddad apareciam tecnicamente empatados, com o deputado numericamente à frente por 51% a 49%. Naquele momento, dois dias antes do primeiro turno, o cenário de disputa entre os dois candidatos era apenas uma das simulações feitas, embora já fosse tratada como a mais provável.

Em nenhum momento da série histórica deste levantamento a vantagem foi tão grande a favor de Bolsonaro como é hoje. Há duas semanas, em seu melhor desempenho, Haddad chegou a aparecer 4 pontos percentuais à frente de seu adversário, o que ainda configurava empate técnico, no limite da soma das margens de erro dos candidatos. A disputa de segundo turno entre os dois e testada pela pesquisa XP/Ipespe desde 16 de julho.

Considerando os votos totais (além das intenções de voto nos dois candidatos, os brancos, nulos e indecisos), Bolsonaro lidera a disputa com apoio de 51% do eleitorado, contra 36% de Haddad. Em relação ao último levantamento, o parlamentar cresceu 8 p.p., ao passo que o ex-prefeito paulistano minguou 6 p.p. Já o grupo de eleitores que indicam votar em branco, nulo, se dizem indecisos ou não responderam ao questionamento soma 14% do total – oscilação descendente em 1 p.p. em comparação com a pesquisa anterior.

Neste momento da disputa, a contagem por votos totais também traz informações relevantes, já que mostra o contingente de eleitores que não apoiam nenhum dos candidatos e permite comparações com as intenções de voto em cada um. No caso de uma disputa tão polarizada, uma das estratégias possíveis ao candidato que aparece atrás nas pesquisas é tentar avançar sobre o grupo dos "não votos". Contudo, os resultados da pesquisa indicam que tal movimento, mesmo se parcialmente exitoso, teria efeitos limitados, dada a comparação entre o atual patamar desta faixa do eleitorado e o registrado em pleitos anteriores. Ou seja, para reverter o quadro atual Haddad teria que roubar votos do próprio Bolsonaro.

Além da confortável distância aberta em termos gerais, o favoritismo de Bolsonaro também se verifica nos resultados por segmentação da recente pesquisa. O militar reformado leva melhor na disputa em todos os grupos de eleitores, exceto entre os que moram na região Nordeste. Lá, Haddad conta com placar favorável de 64% contra 22% em votos totais. Até mesmo entre as mulheres (46% a 37%) e os eleitores com renda familiar mensal de até dois salários mínimos (45% a 38%), Bolsonaro lidera a disputa. Entre os menos escolarizados, o quadro é de empate, com 43% das intenções de voto para cada candidato.

Metodologia

A pesquisa XP/Ipespe foi feita por telefone, entre os dias 8 e 9 de outubro, e ouviu 2.000 entrevistados de todas as regiões do país. Os questionários foram aplicados "ao vivo" por entrevistadores, com aleatoriedade na leitura dos nomes dos candidatos nas perguntas estimuladas, e submetidos a verificação posterior em 20% dos casos. A amostra representa a totalidade dos eleitores brasileiros com acesso à rede telefônica fixa (na residência ou trabalho) e a telefone celular, sob critérios de estratificação por sexo, idade, nível de escolaridade, renda familiar etc.

O intervalo de confiança é de 95,45%, o que significa que, se o questionário fosse aplicado mais de uma vez no mesmo período e sob mesmas condições, esta seria a chance de o resultado se repetir dentro da margem de erro máxima, estabelecida em 2,2 pontos percentuais. O levantamento está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pelo código BR-02361/2018 e teve custo de R$ 60.000,00.

O Ipespe realiza pesquisas telefônicas desde 1993 e foi o primeiro instituto no Brasil a realizar tracking telefônico em campanhas eleitorais, a partir de 1998. O instituto tem como presidente do conselho científico o sociólogo Antonio Lavareda e na diretoria executiva, Marcela Montenegro.

Em entrevista concedida ao InfoMoney em 12 de junho, Lavareda explicou as diferenças de metodologias adotadas pelos institutos de pesquisa e defendeu a validade de levantamentos feitos tanto presencialmente quanto por telefone, desde que em ambos os casos procedimentos metodológicos sejam seguidos rigorosamente, com amostras bem construídas e ponderações bem feitas.

Mais Sobre Eleições 2018

Em nota, PSOL repudia declarações de Eduardo Bolsonaro

Em nota, PSOL repudia declarações de Eduardo Bolsonaro

 247 - O PSOL publicou nota em repúdio às declarações do deputado Eduardo Bolsonaro, filho do candidato à presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, que vi

Sérgio Amadeu sobre fake news: se o Judiciário não fizer nada, vai prevaricar

Sérgio Amadeu sobre fake news: se o Judiciário não fizer nada, vai prevaricar

Sociólogo, professor da UFABC e pesquisador de redes digitais, Sérgio Amadeu faz um alerta às instituições caso nada seja feito a respeito do escândal

 UM ALVO CHAMADO BOLSONARO - Por Ana Clara Machado

UM ALVO CHAMADO BOLSONARO - Por Ana Clara Machado

UM ALVO CHAMADO BOLSONAROAna Clara Machado*Claro que sim, Bolsonaro está em perigo e corre sério risco de ser assassinado. Não precisa nem ter dois de

Roger Waters defende boicote ao Brasil em defesa da democracia

Roger Waters defende boicote ao Brasil em defesa da democracia

O músico inglês e um dos fundadores da banda Pink Floyd, Roger Waters, defendeu o boicote ao Brasil caso o candidato de extrema direita, Jair Bolsonar